Visto da Bancada
Paulo Sérgio (nº 123)
2017-10-11 12:30:00
Antigo avançado do Belenenses recorda a Taça conquistada ao Benfica, em 1989. Fora dos eleitos, vibrou da bancada

Paulo Sérgio foi jogador do Belenenses na década de 90, clube que representou durante cinco épocas, de 1988 a 1993, emblema que lhe abriu as portas da Primeira Liga, e a partida que este ex-avançado elege como aquela que mais o marcou vista da bancada tem os azuis do Restelo como protagonistas. Era um domingo do dia 28 de maio de 1989 e jogava-se a final da Taça de Portugal entre o Belém e o Benfica. Paulo Sérgio, que vivia a sua época de estreia no Belenenses não entrou nas escolhas finais do técnico da altura, o brasileiro Marinho Peres, e foi  para  bancada do Estádio Nacional, na companhia do seu companheiro de equipa, e amigo, Rui Gregório, assistir ao encontro que acabaria por coroar os azuis com a conquista do troféu.

"Logo no primeiro ano de Belenenses, tive a oportunidade de viver um momento de glória. Apesar de não ter jogado vivi cada lance como se estivesse a participar nele. Foi emocionante. Foi o que mais mexeu comigo, de todos os que já vi até hoje. O Chico Faria marcou primeiro, o Vata empatou para o Benfica, e o Juanico, de livre, com um remate forte fez o 2-1 final", recorda o agora treinador.

Outro jogo que Paulo Sérgio recorda visto da bancada é o da final da Liga dos Campeões entre o Inter de José Mourinho e o Bayern então orientado por Louis van Gaal, em maio de 2010, em Madrid. "Fui com uns amigos e estava um ambiente espetacular, um ambiente de champions. O pai do José Mourinho sentiu-se mal e teve de sair antes do final do jogo", recorda-se Paulo Sérgio de um jogo que "ficou na memória" não só pelo ambiente mas também pelo triunfo da equipa de Mourinho, que venceu por 2-0 com dois golos de Diego Milito.

Os jogos da seleção vistos da bancada, qualquer um, são também férteis em recordações, sobretudo por uma razão que o coração de Paulo Sérgio conhece. "Quando toca o hino, emociono-me, vêm-me as lágrimas aos olhos, mexe comigo".

Sê o primeiro a comentar: