Visto da Bancada
Marian Fitzgerald (nº 56)
2017-07-26 17:00:00
Quando uma irlandesa vai na conversa de um português . E quase fica sem mão

Marian Fitzgerald é irlandesa e vive em Portugal desde 2005. O tempo suficiente para ter conhecido um português que a convenceu a radicar-se definitivamente em terras lusas. A diretora do Hard Rock Café Lisboa nunca mais esquecerá o batismo em estádios de futebol em Portugal, simplesmente, porque ia ficando sem mão.

“Por vezes consigo arranjar bilhetes para o futebol, especialmente para o Estádio da Luz”, explicou Marian.

O marido de Marian é do Sporting e como tal a rejeição aos convites para ir ver jogos ao Estádio da Luz era constante, como explica a própria: “O meu marido é do Sporting, e por isso nunca aceita os meus convites para ir ao futebol”, disse.

“Eu não ligo muito a futebol, sei que o Roy Keane é da minha cidade, Cork, e gosto do Celtic. Era esta a minha ligação ao futebol…até ter conhecido o meu marido.”

Aconteceu que um dia, o marido de Marian aceitou o convite e foi mesmo ao Estádio da Luz, para assistir a um…Benfica-Sporting.

“Lembro-me de que fomos para o intervalo e o Benfica estava a ganhar 1-0, e como estávamos numa bancada que não era do Sporting, o meu marido tinha que se conter. Como estavam a perder era mais fácil…não havia razão para fazer barulho.”

É verdade Marian, mas de que ano falamos nós? “2006, era janeiro de 2006”. E quem é que jogava no Sporting em 2006? “O Liedson!”

“Na segunda parte o Sporting marcou. Empataram. E depois…depois quando marcaram outra vez, eu ia ficando sem mão”, lembra. “Eu não percebo nada do jogo. Só me lembro de o meu marido estar a apertar-me a mão com muita força. Lembro-me de o estádio estar em silêncio e só ouvir os adeptos do Sporting a gritar…e a minha mão a ser esmagada!”

“Mas o pior, para a minha mão, ainda estava para vir”, recorda a irlandesa que dirige um dos estabelecimentos mais requisitados em Lisboa. “O Sporting marcou o terceiro, e o meu marido, como não podia festejar, decidiu apertar-me a mão”, lembra. “Ele queria gritar de alegria e eu de dor…”

O Sporting acabou por ganhar por 3-1 depois de o Benfica se ter colocado em vantagem com um golo de Simão Sabrosa na conversão de um pontapé de penálti. Na segunda parte, Sá Pinto igualou o resultado, também a partir da marca dos onze metros, para depois Liedson marcar dois golos e resolver a partida a favor do conjunto, então, liderado por Paulo Bento.

Sê o primeiro a comentar: