Visto da Bancada
Luís Cortez (nº70)
2017-08-09 12:30:00
Antigo leão escolheu uma vitória do Sporting na Liga Europa que ficará na memória dos adeptos durante muito tempo

Quando perguntámos a Luís Cortez qual foi o jogo ao vivo que mais lhe ficou na retina enquanto adepto a resposta, ao início, não foi clara. "Ui, foram tantos...", começou por dizer o jogador do SC Freamunde ao Bancada. No entanto, o médio que já representou o clube leonino nas camadas jovens acabou mesmo por escolher. "Quando jogava no Sporting vi muitos. Vi jogos com o Benfica e com o FC Porto, mas escolho o jogo com o Manchester City".

A 8 de março de 2012, o Sporting recebia no Estádio José Alvalade o Manchester City, clube inglês que havia goleado o FC Porto na ronda anterior e que contava com estrelas como Aguero, Dzeko, David Silva, Kompany, Nasri ou Balotelli. A prestação dos leões na Liga não estava a ser satisfatória, o que levou à saída de Domingos Paciência para a entrada de Ricardo Sá Pinto, mas a campanha na Liga Europa ia, aos poucos, avançando, mas a eliminatória com o Manchester City prometia acabar com as ilusões. Pelo contrário, como nos contou Luís Cortez, de 23 anos.

"[Escolhi este jogo] pelo Sporting ter ganho à grande equipa que era e aos jogadores que o City tinha e apresentava na altura. O que me marcou mais foi mesmo a forma como o Sporting jogou com o City e a vitória do Sporting", referiu.

Xandão, defesa-central brasileiro, foi o herói improvável ao marcar o golo da vitória por 1-0 no início da segunda parte. Mesmo com toda a pressão adversária, o Sporting conseguiu segurar a vantagem até ao fim, o que levou os sportinguistas ao êxtase.

"Foram uma loucura, os adeptos do Sporting. Ninguém estava à espera que o Sporting ganhasse ao City, então o público estava todo... parecia que o estádio vinha abaixo com o barulho. Estava tudo entusiasmado", concluiu Cortez.

O Sporting acabaria mesmo por passar a eliminatória, apesar de ter sido derrotado (3-2) no Etihad Stadium. Wolfswinkel e Matías Fernández marcaram os golos verdes e brancos em Inglaterra.

Sê o primeiro a comentar: