Visto da Bancada
Kata (nº 117)
2017-10-05 12:30:00
Kata partilhou com o Bancada o momento na infância que o fez sonhar em ser jogador de futebol

Há quase sempre, na infância dos jogadores de futebol, aquele momento em que, ainda miúdos, se apercebem que o seu maior sonho é vir a ser futebolista. Sejamos realistas. Esse momento surge à maioria dos garotos, mas só uma minoria tem o privilégio de perceber o que é realizar esse sonho. Para Kata esse momento aconteceu no antigo Estádio Mário Duarte em Aveiro, casa do Beira-Mar, onde viria a jogar como profissional uns anos mais tarde. O jogo que partilha com o Bancada foi frente ao Benfica de Valdo, Ricardo Gomes e Magnusson.

 “Foi a primeira vez que vi, ao vivo, um jogo da primeira divisão, foi em Aveiro, no antigo Estádio Mário Duarte”, recorda o atual treinador do CD Fátima. “Recordo-me muito bem de estar agarrado à rede, mesmo junto ao relvado, e de estar abstraído do jogo por estar a olhar para os jogadores e a pensar que um dia queria estar a fazer o mesmo que eles. E estava a chover muito”, lembra entre risos.

No relvado desfilavam jogadores como Valdo, Ricardo Gomes e Magnusson, mas um dos primeiros futebolistas que ressurgiu na memória de Kata foi o avançado brasileiro Lima, talvez por ter sido o autor de um dos golos, mesmo no fim da partida. “Não me recordo ao certo do resultado, penso que terá ficado 2-1 ou 2-0 para o Benfica (ficou 2-0), mas lembro-me de o Lima ter marcado. E lembro-me também de ver o Magnusson.”

Depois de terminado o jogo, a preocupação do jovem Kata, então com 12 anos de idade era chegar a casa e ver o Domingo Desportivo, para poder dizer à família em que parte do estádio estava situado. “Cheguei a casa, nessa noite, doido para ver o Domingo Desportivo. E depois andava a apontar para a televisão a dizer às minhas irmãs onde é que estava. O pessoal queria ver o resumo, mas eu só queria dizer onde é que estava”, recorda carinhosamente.

O momento em que Kata se apercebeu que o seu desejo era vir a tornar-se futebolista ganhou um simbolismo extra pelo facto de 12 anos mais tarde ter assinado contrato com o Beira-Mar, e no dia da sua apresentação ter entrado no estádio e olhado para a rede onde havia estado há mais de dez anos a sonhar em vir a ser um jogador de futebol. “Todos os dias quando entrava no campo para treinar olhava para aquela rede. Foi algo que me marcou.”

Participa na Liga NOS Virtual
RealFevr
Liga Bancada

Criar equipa