Visto da Bancada
Júlio (nº 57)
2017-07-27 17:00:00
O antigo avançado de FC Porto e Boavista lembra uma vitória dos axadrezados decisiva para o único título da sua história

Júlio já não se lembra dos nomes dos jogadores que entraram em campo naquele dia, ainda que houvesse alguns bem sonantes como os de Ricardo Carvalho e Mantorras, que entraram de início pelo FC Alverca, ou os de Ricardo, Litos, Petit ou Elpídio Silva, que entraram do lado do Boavista, mas lembra-se de que os axadrezados foram ganhar ao Ribatejo e deram, assim, um passo importante para conquistar o único campeonato da sua história.

Tantos foram os anos que Júlio Carlos da Costa Augusto passou a marcar golos dentro de campo, especialmente ao serviço de FC Porto e Boavista, mas também de Varzim SC, Vitória de Guimarães, Portimonense e Salgueiros, que a memória já não é a melhor para recordar os jogos e golos que viu da bancada, enquanto adepto. “Houve vários jogos marcantes. Quando o Boavista foi campeão, por exemplo, estava na bancada a ver o jogo, que me agradou bastante. Não me pergunte qual foi o jogo, mas foi o último, em que foi a festa dentro do estádio, já não sei com quem foi, mas fiquei agradado de estar lá. Outro foi no Estádio do Dragão em que o FC Porto foi campeão. Esses jogos são marcantes”, contou Júlio ao Bancada, mas sem se atrever a entrar em detalhes sobre os jogos. “Não me peça isso que eu já tenho 64 anos e já não me lembro. Lembro-me de que vi a festa de serem campeões, foi marcante para mim como adepto, mas não me peça qual foi o jogo”, avisou.

No entanto,  após alguma insistência, lá lhe veio à memória uma partida em específico. “Lembro-me de um jogo, no ano em que o Boavista foi campeão. Foi ganhar a Alverca, ainda o presidente do FC Alverca era o atual presidente do Benfica, o Luís Filipe Vieira. O FC Alverca nesse ano tinha uma equipa excelente e o Boavista no ano em que foi campeão foi lá ganhar”, lembra, avisando de imediato: “mas nomes dos jogadores não me recordo.”

Felizmente, uma rápida pesquisa permite dar contornos mais nítidos às vagas, mas acertadas, memórias de Júlio. O FC Alverca vivia os melhores anos da sua história, tendo terminado o campeonato no 12.º lugar, orientado por Jesualdo Ferreira, e em campo apresentou naquele dia jogadores como Paulo Santos na baliza  (que até defendeu um penálti de Petit), Ricardo Carvalho, emprestado pelo FC Porto, Cajú e Mantorras. Do lado do Boavista, além do treinador Jaime Pacheco, estavam todos os grandes obreiros do título, exceção feita a Erwin Sánchez que não saiu do banco nesse dia.

O Boavista fez uma grande primeira parte, chegando a uma vantagem de 2-0, através dos golos de Duda e do pistoleiro Elpídio Silva, tendo havido ainda tempo para Petit desperdiçar um pontapé de penálti pelo meio. Na segunda parte, o FC Alverca tentou reagir, tendo conseguido reduzir através de Mantorras, num golo ao seu melhor estilo, mas a vitória, por 2-1, não escaparia à equipa do Bessa. Era a 30.ª jornada da Liga e, com essa vitória, o Boavista manteve a vantagem de quatro pontos para o seu perseguidor, o FC Porto. Três jogos depois, em casa, frente ao CD Aves, os axadrezados fizeram a festa de campeões ao vencerem por 3-0, num jogo em que Júlio também esteve presente na bancada.

Recorde as equipas de Boavista e FC Alverca naquele jogo.

FC Alverca: Paulo Santos; Paviot, Ricardo Carvalho, Veríssimo, José António, Diogo, André, Ramires, Cajú, Rui Borges e Mantorras.

Boavista: Ricardo, Frechaut, Pedro Emanuel, Litos, Quevedo; Rui Bento, Petit, Pedro Santos; Martelinho, Duda e Silva.

 

Sê o primeiro a comentar: