Visto da Bancada
Carlos Saleiro (nº 134)
2017-10-23 12:30:00
Antigo avançado do Sporting recordou um jogo do Campeonato da Europa de 2004

Para Carlos Saleiro, "o jogo mais marcante" que viu "enquanto adepto de futebol", como o próprio o definiu, foi o França-Inglaterra que se realizou a 13 de junho de 2004, referente ao Europeu que teve lugar em Portugal.

"Na altura, ainda era juvenil do Sporting, penso eu, e consegui arranjar três bilhetes. Fui com a minha namorada da altura, que hoje em dia é minha mulher, e o irmão dela. Fomos ver o jogo e os bilhetes eram para a bancada dos adeptos de Inglaterra", começou por dizer ao Bancada o antigo avançado de Sporting, Académica ou Oriental.

Um dos fatores que mais influenciaram a escolha deste jogo por parte de Carlos Saleiro foi a verdadeira constelação que esteve presente nessa noite no Estádio da Luz, em Lisboa.

"Foi um jogo marcante, para já, porque tinha estrelas dos dois lados. Zidane, Trezeguet, Desailly, Henry, do lado a França, Beckham, Owen, Lampard, do lado da Inglaterra, entre outros", frisou, lembrando ainda o ambiente vivido entre os britânicos. "Cada vez que a Inglaterra passava do meio-campo os adeptos festejavam como se fosse um golo. Para mim, que estava habituado a ver jogos da Liga Portuguesa, foi marcante. Tínhamos de nos levantar sempre para ver a jogada", referiu.

Mas a história mais curiosa veio no final da partida. Ainda sem carta, Carlos Saleiro deslocou-se para o recinto de metro. Na tentativa de fugir à típica sobrelotação daquele meio de transporte depois de jogos de futebol, o jogador formado em Alvalade acabou por ser 'traído' por Zidane, autor dos dois golos tardios que deram a vitória à França por 2-1.

"A Inglaterra marcou o golo na primeira parte pelo Lampard, de cabeça, penso eu. O jogo andou muito enrolado e depois, como eu não tinha carro, para não apanharmos confusão no metro, saímos por volta dos 88 minutos e estava 1-0 para a Inglaterra. No momento em que saio do estádio, oiço 'golo'. Liguei para os meus pais a perguntar quem é que tinha marcado e eles disseram-me que tinha sido a França. Andei mais um ou dois minutos e oiço mais um golo. Voltei a ligar para os meus pais e soube que tinha sido outro da França, desta vez de grande penalidade. Vi os golos em casa, infelizmente", concluiu.