Visto da Bancada
Carlos Móia (nº 90)
2017-08-30 12:30:00
Presidente executivo da Fundação Benfica não esquece a memorável exibição de Eusébio no Portugal-Coreia do Norte

O mítico Portugal-Coreia do Norte, relativo ao Mundial de 1966, onde Eusébio brilhou a grande altura ao apontar quatro golos, é o jogo mais marcante para Carlos Móia, presidente executivo da Fundação Benfica. A Seleção Nacional esteve a perder por três golos sem resposta, mas uma exibição fenomenal do antigo astro dos encarnados deu a volta ao jogo. Por completo. Eusébio ainda reduziu para 3-2 à beirinha do intervalo e no segundo tempo lançou Portugal para o triunfo com mais dois golos aos 56 e 59 minutos. José Augusto confirmou o triunfo ao marcar a dez minutos do final.

“Foi um jogo verdadeiramente épico”, sublinha o antigo dirigente do clube da Luz, acrescentando: “Naquela altura, estava a estudar medicina e namorava com quem vim a casar. Estava então a ver o jogo com a minha namorada e recordo-me de uma Coreia que corria muito, uma equipa muito versátil. Eles rapidamente chegaram aos 3-0 e depois nós marcámos o primeiro golo. Ainda me recordo de ter dito ‘se marcamos mais um golo antes do intervalo vamos vencer'. E foi o que aconteceu. Demos a volta num jogo memorável com um Eusébio fantástico.”

O líder da Fundação Benfica lembra não só o jogo, mas a extraordinária capacidade da figura maior da história dos encarnados. “Eusébio fez-me benfiquista”, sustenta, lembrando a conquista das Taças dos Campeões pelo clube da águia. “Há vários jogos do Benfica que ficaram na minha memória mas como estamos a falar de um só jogo, vou ficar pela Seleção Nacional, pois este foi o jogo mais espectacular que pude ver.”

Sê o primeiro a comentar: