Revista de Imprensa
Conceição e as queixas estranhas após o talento
2018-11-25 09:30:00
Descobrimos um vice-campeão da Europa sub-19, no Praiense, e um primo de Yannick Djaló, no Casa Pia.

Por cá, tudo normal. Sporting e FC Porto cumpriram a “obrigação”, na Taça de Portugal. Os portistas aproveitaram um Belenenses que demorou a subir ao relvado do Dragão e resolveram o jogo com relativa facilidade, enquanto o Sporting, depois de uma primeira parte tremida – e com alguns sustos –, conseguiram dar cabo do Lusitano, na segunda parte, acabando com um resultado robusto.

Para os dragões, as manchetes foram "prego a fundo", no jornal "A Bola", "dragão ganha a poupar", no "Record", e "Corona na manga", n'O Jogo. E podemos começar já por aqui. O Sérgio Cavaleiro viu um toque de génio em Sérgio Conceição, na forma como entendeu o ponto a explorar na equipa do Belenenses. Sim, porque a "lenga-lenga" de tantos treinadores do "não mudamos em função do adversário" é uma parvoice pegada. Sérgio mudou qualquer coisa e fez bem. No entanto, no momento da genialidade, veio algo bizarro. É sabido que Sérgio Conceição, à Mourinho, tem mostrado não gostar de passar muito tempo na "mediania comunicacional", isto é, sem trazer, ele próprio, motivos de interesse e polémica para a praça pública. No entanto, é estranho que Sérgio Conceição tenha, após o jogo de ontem, decidido pegar na bandeira da falta de atenção da imprensa. Em todas as equipas de Portugal, da Liga aos distritais, Sérgio Conceição, Rui Vitória e Marcel Keizer são os três únicos treinadores que não podem queixar-se de atenção por parte da imprensa. Se Sérgio e o FC Porto se queixam, o que dirão os Tondelas e os Feirenses deste Mundo? Não teve muita lógica, dizemos nós.

Para o Sporting ficaram reservadas manchetes de "goleador implacável" e "Keizer quer mais", depois de um jogo no qual os leões tinham mais a perder do que a ganhar. Tivemos o Gomes Ferreira de olho em Viseu – leia a análise ao jogo.

No Bancada, tivemos futebol gourmet, como habitual (ignore o auto-elogio). No Praiense, descobrimos um vice-campeão da Europa sub-19, enquanto no Casa Pia descobrimos um primo de Yannick Djaló que tem sonhos complicados. Fomos, ainda, saber mais sobre o caso de doping de Sergio Ramos, bem como sobre os planos de Piqué para o final da carreira. Já que aqui está, aproveite para conhecer a seleção que o Suriname (sim, o Suriname) poderia ter feito, caso estes onze craques abdicassem da poderosa Holanda.

Este sábado trouxe, ainda, coisas normais e coisas estranhas: no normal destacamos o golo de Ronaldo. Mais um dia no escritório. No estranho – ainda que, recentemente, não seja uma raridade total – destacamos a derrota do Real Madrid, que foi despachado pelo Eibar. E bem despachado.

Por fim, umas notas soltas: primeiro para lhe dizer que, em França, José Fonte foi promovido a capitão, fruto da lesão de um colega. Segundo para lhe dizer que José Mourinho não larga Iker Casillas.

Sê o primeiro a comentar: