Prolongamento
Um português à conquista do México: que comece a Fiesta Grande [12/14]
2018-11-29 22:55:00

ONZE JOGADORES A SEGUIR

Ivan Marcone (Cruz Azul)

Já falámos de Marcone, mas não há nada como reiterar. Por esta altura, e ao lado de nomes como Guido Rodríguez ou Juan José Vázquez, el Gallito, Marcone é um dos melhores médios do futebol mexicano. Apesar da influência na zona recuada do relvado, com uma absurda capacidade para recuperar bolas aos adversários, o seu papel na construção de jogo da equipa de Pedro Caixinha tornam redutor o título de “contención” para Marcone. Depois de já ter sido figura em Sarandi e no Lanús, ajudando o Granate a inéditos títulos e presenças em finais internacionais, Marcone assumiu-se agora em poucos meses como uma das figuras do futebol mexicano. Seguramente, a melhor contratação da temporada para este Apertura 2018.

Guido Rodríguez (América)

É o melhor jogador da Liga MX. Chega? Também achamos que sim.

Marcel Ruiz (Querétaro)

Surgido absolutamente do nada, Marcel Ruiz é já a grande revelação da temporada mexicana e nem é preciso jogar-se a segunda metade da época para o saber. O médio ofensivo mexicano de 18 anos aproveitou de forma perfeita a implementação da Regla Menores para se dar a conhecer. Não só aproveitando a oportunidade, como fazendo-o com estrondo ao ponto de ser a par de Sanvezzo a grande figura da manobra ofensiva do futebol dos Gallos de Querétaro. Com mais de mil minutos disputados e participação nos 17 jogos do Querétaro durante o Apertura, Ruiz leva já dois golos e duas assistência na temporada, jogando nas costas de Sanvezzo e revelando na visão de jogo e passes chave a sua grande virtude. Não surpreende ou não se dissesse ele próprio grande adepto de Iniesta.

Roberto Alvarado (Cruz Azul)

Poucas vezes o Pachuca se terá enganado, nos últimos anos, a avaliar o potencial e a capacidade de um jogador como o fez recentemente com Roberto Alvarado. Sem encontrar espaço no plantel principal dos Tuzos depois de se destacar ao serviço do Celaya ainda em idade muito jovem, o médio ofensivo de 20 anos, agora ao serviço do Cruz Azul, foi uma das figuras do surpreendente Necaxa da temporada passada, quem sabe, potenciado pela desilusão por que passou em Pachuca. Certo, é que o Cruz Azul de Pedro Caixinha não se atrasou e levou Alvarado esta temporada para o Azteca, mais do que para cumprir a quota de minutos com jogadores jovens, mas sobretudo para elevar o ataque do Cruz Azul a outro nível. Alvarado não dececionou. A jogar maioritariamente nas costas do ponta de lança, mas com capacidade para desequilibrar nos corredores tal o seu dinamismo, classe e virtuosismo, Roberto Alvarado leva já dois golos e quatro assistências na temporada assumindo-se como uma das grandes figuras da equipa de Caixinha, de certa maneira, contra todas as expetativas.

Diego Lainez (América)

O futebol mexicano vive tempos de grande entusiasmo e não é caso para menos. Um pouco por todo o país vão surgindo jovens valores que podem fazer da próxima geração do futebol mexicano uma geração dourada. Alvarado é um deles, mas o principal expoente deverá vir a ser Diego Lainez. O extremo mexicano de 18 anos, invariavelmente já comparado a Messi, vai já na terceira temporada junto da equipa principal do América e apesar de uma época dividida entre a enfermaria e os jogos das seleções jovens do México, leva já três golos em dez jogos durante o Apertura ao serviço do América. Se o histórico emblema da Cidade do México é um dos favoritos ao título, em muito isso se deve à qualidade, não só potencial, como atual, de Diego Lainez.

André Pierre Gignac (Tigres)

Naturalmente, Gignac não é um desconhecido para quem quer que seja, porém, o avançado francês é um caso especial de qualidade e a sugestão vai no sentido de divulgar ao Mundo o que o futebol europeu está a perder com a presença de Gignac no futebol mexicano. Felizmente para os amantes do futebol azteca, claro, tal o nível apresentado pelo francês e que faz de Gignac por esta altura o maior goleador a atuar no México.

Víctor Guzmán (Pachuca)

Não, não enganámos. Sabemos bem que Guzmán e o seu Pachuca não chegaram à Liguilla, numa daquelas coisas inexplicáveis, tal a qualidade dos Tuzos, mas que por alguma razão já vem sendo habitual. O melhor marcador mexicano do Apertura, porém, é aos 23 anos uma das grandes figuras do futebol mexicano e com nove golos em dezoito jogos feitos ao longo do Apertura teve em 2018 o seu ano de explosão definitivo depois de uma fase marcada por lesões graves. Internacional mexicano em cinco ocasiões, Pocho poderá vir a ser a próxima venda milionária do Pachuca.

Víctor Dávila (Necaxa)

E já que estamos em regime de exceções, não há como não falar de Victor Dávila, jovem chileno de 21 anos que incendiou por completo o Apertura ao serviço do Necaxa com seis golos e duas assistências em 16 jogos. O salto para um dos principais clubes mexicanos não deverá tardar para o médio ofensivo desconcertante, depois de já ter ajudado os Rayos a vencer a Copa MX e a Supercopa MX de forma surpreendente na temporada passada/início desta época.

Camilo Sanvezzo (Querétaro)

Depois de vários problemas físicos numa altura em que atravessava o melhor momento da carreira e que talvez tenham impossibilitado que Sanvezzo ainda viajasse rumo ao futebol europeu, mais do que nunca, Sanvezzo parece estar a regressar à forma que o permitiu incendiar o futebol mexicano por altura da sua chegada ao país. Depois de um 2016/17 em que apontou 20 golos e de uma temporada passada com 14 golos em 37 jogos, Sanvezzo parece estar a caminho da melhor temporada da carreira esta época, ou, pelo menos, da melhor temporada desde que chegou ao México. Com oito golos em 16 jogos que em muito contribuíram para o regresso do Querétaro a uma fase final de um torneio, Sanvezzo leva já 11 golos em 20 jogos disputados pelos Gallos esta temporada. Alguns deles nos melhores livres diretos que o futebol mexicano teve o prazer de ver esta temporada.

Julian Quiñones (Tigres)

Face a uma frente de ataque que conta com nomes como Gignac, Enner Valencia, Edu Vargas, Ismael Sosa, Javier Aquino, Jürgen Damm ou até Lucas Zelarayán, nada fazia prever que Julian Quiñones, extremo colombiano de 21 anos, se assumisse definitivamente esta temporada como uma das figuras do Tigres. Explosivo e desconcertante, o extremo direito colombiano leva já três golos e quatro assistências na temporada, depois de uma época espetacular em Puebla ao serviço do Lobos BUAP com 17 golos 28 jogos. Dado o potencial e relativo desconhecimento relativo a Quiñones, poderá estar aqui uma verdadeira oportunidade de negócio.

Jesús Angulo (Santos)

Depois de já ter surgido na equipa principal do Santos na temporada passada, Jesús Angulo vai tendo neste Apertura o seu torneio de confirmação. O lateral esquerdo de 20 anos leva já 16 jogos ao serviço do Santos esta temporada e até já chegou à seleção mexicana tendo sido internacional em três ocasiões. O mais curioso desta ascensão de Angulo é o facto de, ao mesmo tempo, também no Santos, estar Gerardo Arteaga, igualmente de 20 anos, igualmente lateral esquerdo, igualmente internacional mexicano. Seja com Angulo ou com Arteaga, certo é que o Santos, em conjunto com Abella, tem provavelmente a melhor dupla de defesas laterais de toda a Liga MX.

Sê o primeiro a comentar: