Prolongamento
Mário Castro diz que falsos treinadores são um problema na China
2019-03-14 15:55:00
Técnicos sem diploma nem formação

O português Mário Castro, coordenador de um projeto de parceria entre o SPHQ e o Toulouse, em Shenzhen, considerou hoje que o grande problema na China são os falsos treinadores, ou que não possuem instrução e os incompetentes.

Mário Castro juntou assim a sua voz às críticas crescentes em torno dos problemas criados pelos falsos treinadores na formação do futebol chinês, muito por culpa de empresários sem escrúpulos, num trabalho desenvolvido pela agência AFP.

“Em cidades pequenas, as academias responsáveis pela formação contratam técnicos estrangeiros, mesmo que não tenham o diploma ou a certificação da UEFA”, disse Mário Castro, de 40 anos, que esteve ao serviço, entre outros, do Sporting de Espinho, Anadia, Cinfães, Avanca e Arouca.

No caso das grandes cidades, Mário Castro referiu que “há um enorme mercado para treinadores a tempo parcial” e que “a maior parte dos técnicos em atividade nos clubes não possuiu diploma” ou qualquer tipo de certificação legal válida.

Um outro técnico qualificado citado pela AFP, que desejou permanecer anónimo, porque não está autorizado a prestar declarações à comunicação social, disse que há uma “corrida de ratos” e lamenta que “a imagem dos treinadores na China seja prejudicada por certas ações”.

Questionada sobre esta situação, a federação chinesa optou por não responder à agência de notícias francesa, mas, no mês passado, lançou uma série de esquemas para ajudar a regular o mercado dos treinadores e das academias de formação.

O problema dos falsos treinadores, de acordo com o técnico norte-americano Tom Byer, que trabalha com as autoridades chinesas, “não é exclusivo do país, dado que há charlatães em todo o mundo e em todo o lado há gente sem escrúpulos”.

Tom Byer reconhece que o mercado futebolístico chinês, em franca expansão, já é muito atrativo, até pelas verbas que movimenta, mas como qualquer novidade sofre das dores de crescimento associadas a essa condição, como a falta de honestidade de alguns intervenientes.

Sê o primeiro a comentar: