Prolongamento
Costinha e Maniche em tribunal por causa de um célebre mistério do futebol luso
2019-09-19 15:35:00
Camisola rasgada de Rui Jorge é um dos casos mais famosos do futebol português

Costinha e Maniche nunca esconderam a amizade que os uniu dentro e fora do relvado. Do famoso meio-campo portista, que foi campeão europeu, à seleção portuguesa, vice-campeã em 2004, ambos estiveram sempre muito próximos.

Porém, nos últimos tempos, os antigos futebolistas travaram na barra dos tribunais uma luta por causa de um célebre caso do futebol português, que ficou conhecido como 'A camisola rasgada de Rui Jorge'.

Num clássico entre FC Porto e Sporting, na época 2003/04, José Eduardo Bettencourt era administrador executivo da SAD verde e branca e, após o duelo contra os dragões, foi à sala de imprensa acusar José Mourinho, então técnico dos azuis e brancos, de ter rasgado a camisola de Rui Jorge. 

"O Paulinho, o nosso roupeiro, queria trocar a camisola do Rui Jorge pela do Vítor Baía e o José Mourinho fez isto", disse Bettencourt, enquanto mostrava a camisola rasgada.

Na altura, o caso fez 'correr muita tinta' e ainda hoje é um dos casos mais célebres do futebol português.

Para a história ficou José Mourinho como o 'culpado' pelo rasgão da camisola e o caso acabou por 'adormecer' nos livros de história do futebol luso.

Porém, no último ano, Maniche trouxe o caso à luz do dia e contou detalhes, acabando por envolver Costinha.

Ora, o 'ministro' não gostou do que leu no livro de Maniche e levou o ex-companheiro de equipa para os tribunais.

"Todo o mundo pensa que foi o Mourinho que rasgou a camisola do Rui Jorge, mas não foi. Foi o Costinha", disse Maniche no livro "MANICHE 18, As Histórias (ainda) não contadas".

Ora, Costinha classificou esta declaração de "descabida e absolutamente falsa" e decidiu processar o ex-companheiro, segundo revela o 'Diário de Notícias', que explica que o caso acabou com um acordo entre os dois antigos médios, a editora e o autor do livro.

Ainda segundo o 'Diário de Notícias', Costinha sentiu-se afetado na sua "reputação" e no "bom nome" por Maniche lhe "imputar uma conduta absolutamente imprópria para um futebolista ou treinador de futebol profissional, de incitamento à violência, ódio e intolerância no desporto e também de desrespeito e até desprezo pela camisola suada de um colega de profissão e de um importante clube de futebol português".

O valor que Costinha possa receber deverá ser entregue a instituições de solidariedade social.

Quanto ao mistério de quem, afinal, rasgou a camisola, esse, irá permanecer.