Portugal
"Vão ouvir-nos a dizer mal dos árbitros e palavrões", antecipa Coates
Redação
2020-05-27 19:15:00
Defesa do Sporting comenta jogos à porta fechada

Sebastián Coates, de 29 anos, prepara-se mentalmente para uma situação inédita na carreira: jogar à porta fechada.

"Nunca joguei assim como profissional. Nas camadas jovens tínhamos 150 pessoas nos estádios e estava lá a nossa família, mas agora será diferente", antecipou o defesa do Sporting, durante uma entrevista para um blogue sobre a liga norte-americana de basquetebol (NBA).

"Há microfones em todo o estádio que, sem o som ambiente, vão registar tudo. Vão ouvir-nos dizer mal dos árbitros e a dizer alguns palavrões", acrescentou.

O central uruguaio deu ainda conta de um problema adicional: as discussões entre colegas de equipas no relvado poderão alimentar teorias da conspiração.

"Até se vai especular sobre o mau ambiente entre os jogadores quando tivermos uma discussão no campo. Não estamos habituados a sermos escutados", argumentou.

A propósito, Coates lembrou que é habitual ver-se os jogadores a taparem a boca nesses momentos.

"Chega a ser um comportamento paranóico, pois até o fazemos nos treinos, mas é algo que já está no subconsciente", reforçou. 

Nesta conversa, o jogador do Sporting falou também sobre o período de confinamento.

"Um mês na passadeira é muito mau, pois perdemos massa muscular e os tendões ressentem-se. Eu fui operado ao joelho em 2014 e comecei a sentir dores por correr na passadeira. Felizmente, voltei ao relvado e tudo mudou", concluiu.