Portugal
Serviços mínimos de Seferovic atenuam greve geral do Benfica
2018-12-28 23:15:00
Encarnados sofreram muito para seguir em frente rumo à "final four" da Taça da Liga

Valeram os serviços mínimos de Seferovic numa equipa em "greve geral" para o Benfica seguir em frente rumo à "final four" da Taça da Liga. Um golo do internacional suíço, aos 70 minutos, permitiu ao clube da Luz empatar a um golo fora de portas diante do Desportivo das Aves e evitar o afastamento da competição mercê de uma exibição cinzenta, que deixou muito, muito a desejar e quase hipotecava um dos objetivos da temporada.

Rui Vitória dispôs a equipa com base na habitual estrutura de 4x3x3 efetuando três alterações comparativamente ao jogo frente ao SC Braga, que terminou num expressivo e avassalador triunfo de 6-2. Svilar, Yuri Ribeiro e Seferovic foram as novidades, em detrimento de Vlachodimos, Grimaldo e Jonas. Fejsa, Gedson e Pizzi formaram o tridente do meio campo, enquanto Cervi e Zivkovic alinharam mais descaídos sobre as alas com Seferovic isolado na frente de ataque. Já José Mota apostou num sistema idêntico, com Falcão, Vítor Gomes e Rúben Oliveira na zona central do meio campo, ao passo que Amilton e Baldé foram os extremos que tentaram servir o ponta de lança Derley num onze com quatro alterações em relação à pesada derrota (5-2) diante do Belenenses: Beunardeau, Jorge Fellipe, Falcão e, precisamente, Derley.

Ao Desportivo das Aves só a vitória interessava para alcançar a "final four" da Taça da Liga e foi isso mesmo que a equipa tentou exprimir em campo principalmente na fase inicial do jogo em que colocou o último reduto dos encarnados em sentido por duas vezes, sempre por intermédio dos endiabrados Baldé e Derley. A investida do Desportivo das Aves não surtiu, no entanto, qualquer efeito, e o Benfica, passado o impacto inicial, adotando uma atitude de maior controle e expectativa, conseguiu levar o jogo para o intervalo sem sobressaltos de maior.

A segunda parte começou novamente com o Desportivo das Aves a denotar vontade de fazer pela vida mas desta vez a atitude que revelou teve resultados práticos com Baldé a colocar a equipa liderada por José Mota na frente do marcador. O apuramento rumo à "final four" ficou à vista. O Benfica via-se agora obrigado a pelo menos marcar um golo para seguir em frente na competição. Rui Vitória não perdeu tempo a reagir e lançou Jonas em jogo, fazendo sair Cervi. Ou seja, os encarnados passaram a alinhar com dois avançados na frente de ataque. Foram, no entanto, pertença do Desportivo das Aves as melhores oportunidades de golo, primeiro por intermédio de Amilton, depois por Baldé que, em boa posição, permitiu a defesa a Svilar. Quem não marca arrisca-se a sofrer e foi o que sucedeu ao Aves. Na sequência de uma cavalgada de Zivkovic pela esquerda, Seferovic concluiu ao segundo poste fazendo passar a bola por entre as pernas de Beunardeu.

O Desportivo das Aves correu novamente atrás do prejuízo. Não se atemorizou e por duas vezes esteve muito perto de marcar, desfrutando das melhores ocasiões de golo. Aos 85 minutos, o treinador do Benfica repôs o sistema preferido, fazendo sair Seferovic e apostando na entrada de Salvio, no sentido de reequilibrar uma equipa aflita perante a atitude destemida do conjunto da casa. Os encarnados sofreram muito, mas acabaram por seguir em frente rumo à "final four" da Taça da Liga.

Sê o primeiro a comentar: