Portugal
Quando o CD Tondela resolveu ligar-se à corrente o Rio Ave apagou-se
2018-08-26 21:00:00
O Rio Ave dominou na primeira parte, o Tondela na segunda. Um golaço de Peña despertou a equipa de Pepa

Ainda não foi desta que o CD Tondela alcançou a primeira vitória no campeonato, empatando em casa com o Rio Ave por 1-1. A equipa de Pepa arrancou mal na receção ao Rio Ave, sofrendo um golo cedo e demorando muito tempo até se encontrar, mas teve uma boa reação na segunda parte onde esteve perto de conseguir a reviravolta no marcador, o que não seria algo de estranho. Destaque para o golaço do peruano Peña, um momento mágico na partida e que lançou a equipa de Pepa para o assalto ao último reduto dos vilacondenses.

Peña recebeu a bola à entrada da área, tirou um adversário da frente para ganhar espaço e depois atirou de pé direito, fora da área, para o fundo das redes de Leo Jardim. Um golaço do peruano que acabou por ser o despertador para uma segunda parte de bom nível da formação da casa. Isto porque na primeira parte, o CD Tondela revelou-se uma equipa pouco agressiva, apática, sem capacidade para criar perigo na área adversária. O Rio Ave soube tirar proveito disso e com um futebol ligado entre os sectores nem precisou de muita voltagem para dominar a partida. Ainda por cima chegou cedo à vantagem, aos 17 minutos num lance em que a sociedade Gelson Dala-Galeno funcionou às mil maravilhas, com aquele último a marcar. No lance seguinte, os papéis inverteram-se só queo avançado angolano, cedido pelo Sporting, não acertou com a baliza.

Pepa não estava a gostar do que estava a ver e resolveu mexer na equipa à passagem do minuto 30. Retirou do campo Arango e lançou Peña e os efeitos começaram a sentir-se. A equipa começou a crescer no jogo, a ser mais objetiva, mas tinha sempre pouca gente na zona de finalização, onde apenas Tomané lutava contra o mundo. Ainda antes do intervalo, o Tondela viu Leo Jardim negar o golo a Hélder Tavares com uma tirada de grande nível, numa bola que bateu no chão e subiu e ia traindo o guarda-redes do Rio Ave.

A segunda parte trouxe um Tondela renovado, ligado agora sim à corrente como Pepa disse querer para esta partida na conferência de imprensa de antevisão ao jogo. Desde logo a substituição ao intervalo, lançando Murillo para o lugar de Delgado contruibuiu para um jogo mais vertical da equipa da casa, com as linhas agora mais subidas, mas a expor-se mais e sujeita às transições ofensivas do Rio Ave, um dos pontos fortes da equipa de José Gomes.

Ao minuto 58 veio o momento mágico da partida com o golo de Peña. Um prémio justo para a reação do Tondela e um castigo para um Rio Ave que surgiu no reatamento bem mais retraído, dando a ideia de querer gerir a vantagem. O peruano não teve pena de ninguém e assinou um grande golo que fez crescer ainda mais a equipa tondelense. O Rio Ave acusou o toque e sentiu muitas dificuldades em travar o ascendente do Tondela. Pepa ainda lançou na parte final Sabbag que foi juntar-se a Tomané na frente do ataque, apoiados por Peña e Murillo, mas o resultado já não sofreria alterações e Tomané acabaria mesmo expulso, aos 90+1, por protestos junto de um dos assistentes de Manuel Mota.