Portugal
“Quando colocarmos os adeptos na linha da frente, teremos um grande futebol”
2020-03-27 16:55:00
Carlos Carvalhal deixou várias críticas ao futebol português

O treinador do Rio Ave, Carlos Carvalhal, respondeu, nesta sexta-feira, a perguntas de vários internautas, num questionário organizado pelo jornal 'Record'.

À pergunta sobre qual o maior problema do futebol português, o ex-técnico do Sporting deixou muitas críticas sobre este assunto em particular.

“O grande problema do futebol não é o número de equipas, é o desequilíbrio entre a três, quatro equipas da frente e as restantes, bem como a falta de público nos estádios”, explicou.

“No dia em que os dirigentes colocarem os adeptos/pessoas na linha da frente, teremos um grande futebol”, acrescentou Carlos Carvalhal, que defendeu, na passada segunda-feira, que o campeontato deve ser dado por terminado.

Para o treinador de 54 anos, existem várias soluções que poderão melhor o estado do futebol português, mas que as mesmas só poderão ir para à frente se os clubes quiserem.

“Equilíbrio na distribuição das receitas e colocar os adeptos nos estádios como prioridade. A Liga é constituída pelos clubes, portanto são eles que definem as prioridades…”, comentou.

Antes da interrupção das competições devido ao surto de Covid-19 em Portugal, havia muitas críticas ao trabalho dos árbitros. Carvalhal, que já trabalhou no Swansea e no Sheffield Wednesday, destacou as diferenças entre Portugal e Inglaterra.

“Os árbitros são os menos culpados. A forma portuguesa de viver o futebol e como ele está organizado leva os árbitros a 'defenderem-se' constantemente. Em Inglaterra há uma palavra que se leva muito a letra: respeito! Agora basta pensar um bocado e perceber as diferenças em tudo o que 'cheira' a futebol”, salientou.

Há mais de 20 anos como técnico principal, Carvalhal já trabalhou com vários treinadores que conseguiram fazer carreira, como é o caso de Bruno Lage, Miguel Cardoso e Miguel Leal.

Como tal, o timoneiro do Rio Ave pede aos seus adjuntos que tenham sempre a ambição de querer ser melhores no futuro.

“Competência, lealdade, compromisso e ambição de serem treinadores no futuro. Foi assim com Miguel Leal, Miguel Cardoso e Bruno Lage. Eu e João Mário (meu braço direito... e esquerdo) procurámos ajudá-los a serem melhores treinadores para o futuro e estamos muito felizes e gratos por os termos tido ao nosso lado”, rematou.

O Rio Ave encontra-se na quinta posição da I Liga, com 38 pontos, lugar que dá acesso às competições europeias.