Portugal
"Pizzi passa uma fase menos boa mas voltará às grandes exibições", diz Pedrinha
2019-10-09 12:45:00
Pedrinha falou ao Bancada de Pizzi com quem partilhou balneário quando o transmontano chegou à I Liga

Pizzi atravessa um período de menor fulgor no Benfica. Outrora figura de proa no onze da águia, a verdade é que o internacional português tem vindo a perder influência no jogo encarnado, de tal modo que Bruno Lage o tem retirado de campo frequentemente no decorrer dos encontros. Para Pedrinha, que partilhou o balneário com Pizzi em Paços de Ferreira, quando o jovem transmontano dava os primeiros passos na Liga portuguesa, trata-se de "uma fase menos boa" mas, em breve, o camisola 21 "voltará às grandes exibições".

"Um jogador com todos os atributos que caracterizam o Pizzi, com tantas qualidades individuais e depois dentro do processo coletivo da equipa, a forma como ele percebe e interpreta o jogo, com toda a preponderância que tem no Benfica, é mais que óbvio que é apenas uma fase menos boa", começa por explicar Pedrinha, em entrevista ao Bancada.

O agora treinador era um dos mais experientes do balneário do Paços de Ferreira quando, no inverno de 2010, depois de meia época no Covilhã, Pizzi chegou à capital do móvel. De lá para cá, ficou a certeza em Pedrinha de que Pizzi tinha e tem muito potencial, que irá continuar a confirmar.

"Como joga numa equipa que ganha muito mais vezes daquelas que perde, assim que os resultados positivos voltem a aparecer, o Pizzi estará de regresso às grandes exibições, pois já provou ser um jogador regular e além disso, falamos de um jogador com uma bagagem muito grande e bastante experiente."

Como adjunto de Filipe Rocha, Pedrinha esteve no Estádio da Luz no arranque de temporada num jogo em que Pizzi brilhou com dois golos e uma assistência. Questionado pelo nosso jornal se os adversários têm agora armas para anular Pizzi e a sua influência, Pedrinha nota uma quebra de rendimento no coletivo e não apenas em Pizzi. Porém, destaca que grande parte do jogo benfiquista passa pelos pés do transmontano.

Pedrinha na imagem à direita já durante esta época como adjunto de Filipe Rocha no Paços de Ferreira

"Todas as equipas estudam os adversários ao pormenor, o Pizzi sendo dos jogadores mais influentes e com mais qualidade do Benfica, é normal que o tentem anular, pois grande parte do caudal ofensivo e onde as situações acabam por ter êxito, passam quase todas, pelos pés deste jogador. No entanto, aquilo que verificamos, é um momento menos bom de toda a equipa e não propriamente do Pizzi."

Os campeões nacionais têm enfrentado uma onda de lesões, sobretudo ao nível do meio-campo onde Bruno Lage tem apostado em vários atletas.

Pedrinha não acredita que Pizzi tenha indicações para defender mais e ajudar nas 'despesas' no miolo e depois perca 'frescura' no momento de atacar, fazer combinações com os colegas ou aparecer em zonas mais subidas do terreno.

"Nao acho que seja o tal 'recolher' do Pizzi em ter que defender mais, mas sim, as exibições menos conseguidas da equipa", referiu Pedrinha, antigo médio que cumpriu quase 200 jogos no principal escalão do futebol português.

E é da experiência que tem no desporto que Pedrinha analisa o momento do Benfica mais pelo coletivo nomeadamente na frente de ataque. "Os adeptos querem vitórias, esperam sobretudo que os avançados façam golos e neste arranque do campeonato, isso não está a acontecer. À medida que os jogos passam a exigência é maior e nota-se uma grande pressão dos adeptos na comunicação social nesse sentido."