Portugal
"Os outros andaram a comer a carne, eu ando a roer os ossos"
2019-10-04 16:40:00
Inácio lembra condicionantes financeiras da preparação da temporada do Aves

O Aves chega à paragem do campeonato (motivada pelos compromissos das seleções) no último lugar, o que levou o treinador, Augusto Inácio, a lembrar as condicionantes financeiras na preparação da época.

Na conferência de imprensa de antevisão do jogo com o Tondela (referente à nona jornada e antecipado para amanhã), o técnico lembrou que teve de montar o plantel com os "ossos", pois quem esteve antes no Aves levou "a carne" toda.

"Isto é tudo muito bonito, mas o orçamento é praticamente metade daquele que tínhamos no ano passado. Com o dinheiro que temos devemos procurar os melhores. É assim, os outros andaram a comer a carne e eu ando a roer os ossos, até chegar novamente à carne", lamentou.

Da equipa base do ano passado, ficaram só Beunardeau e Falcão. Chegaram 19 reforços, 'a conta gotas', e ainda houve uma série de lesões, em especial no setor defensivo.

"Temos o nosso limite, contratámos os jogadores lá fora porque no nosso campeonato não foi possível", lembrou Inácio, admitindo que "esperava" ter "mais dois ou três pontos" à entrada para a oitava jornada.

"Mas não é uma hecatombe. Encaro isto de forma fria, sabendo onde posso chegar. O exterior não quer saber das nossas dificuldades, quer é ganhar, mas eu quero ganhar mais do que todos. Eu é que tenho de passar pelas dificuldades, as constantes lesões. São lesões traumáticas, acidentes de treino, de jogo, que não podemos controlar", acrescentou.

O treinador está "preocupado" com a situação do Aves, mas recusa "meter as mãos na cabeça".

"Vou enfrentar as coisas de frente, com confiança", prometeu: "Temos bons jogadores, vamos recuperar. Acredito plenamente que vamos ficar na Liga. Espero ganhar o jogo, subir na classificação, espero agora estar o mesmo tempo sem derrotas. Vamos entrar num ciclo mas positivo para nós".

Um ciclo que começa já amanhã, com a partida antecipada da nona jornada, com o Tondela.

"É um momento complicado em termos de resultados [cinco derrotas consecutivas], mas a nível exibicional e competitivo notámos melhorias em Paços de Ferreira [derrota por 2-1] e no jogo com o Sporting [desaire caseiro por 1-0]. Sinto a equipa mais junta e isso dá esperança para melhorarmos os resultados. O Tondela está a fazer um bom campeonato. É uma equipa defensivamente consistente, com jogadores rápidos e que cria mossa através do contra-ataque", analisou.

O técnico adiantou que foi ele a pedir a antecipação do jogo. "Se fosse hoje já não pedia", confessou: "Agora está marcado e temos a obrigação de ganhar".

Augusto Inácio explicou ainda o motivo para não contratar jogadores desempregados.

"Os jogadores estão parados há alguns meses, chegam aqui e têm de fazer pré-temporada, vê-se longo que andaram 'a trabalhar de língua'. Contratar um jogador para fazer a pré-época  e chegamos a dezembro, se calhar nessa altura podemos contratar outros que estão nos clubes e a treinar. O contrário é um risco e não podemos correr esses riscos. Se tivéssemos milhões...", afirmou.