Portugal
"Os clubes aceitaram tudo o que a DGS propôs, mas não o deveriam ter feito"
Redação
2020-06-03 21:55:00
Vítor Oliveira critica o regresso do futebol sem público nas bancadas

O treinador do Gil Vicente, que hoje perdeu em casa do Portimonense, criticou os dirigentes por aceitarem o regresso do futebol... sem público.

"Os clubes aceitaram tudo o que a DGS [Direção-Geral da Saúde] propôs para retomar o futebol, mas penso que não o deveriam ter feito. Futebol sem público não é o futebol a que estamos habituados. Precisamos de público", afirmou Vítor Oliveira.

"Tendo em conta o que vamos vendo, as atividades que vão abrindo, programas de televisão com público, penso que as pessoas do futebol mereciam um pouco de atenção por parte de quem faz a legislação. O futebol tem condições para ter público, seja com 20 ou 30 por cento da capacidade dos estádios. Futebol sem público não é futebol", insistiu.

Sobre a partida com o Portimonense, analisou as "duas partes distintas" do encontro, com o Gil Vicente a ser incapaz de materializar o domínio que teve na primeira metade.

"Na segunda parte, o Portimonense fez um grande golo, um golo de bandeira e ganhou. Marcou um golo, portanto mereceu ganhar. O jogo teve pouca qualidade, o que é natural, tendo em conta as circunstâncias. Mesmo assim, deveríamos ter feiro mais e melhor. Precisamos de voltar ao caminho certo. Este resultado e a nossa segunda parte preocupam-me, porque ainda precisamos de fazer pontos para nos mantermos na I Liga. O Gil Vicente é uma equipa forte se for coletivamente forte. Se não for coletivamente forte, é uma equipa banalíssima", concluiu Vítor Oliveira.