Portugal
Os 23 de João Vasco Nunes
2018-05-14 11:00:00

Os meus 23:
Guarda-redes: Rui Patrício, Anthony Lopes e Beto;
Defesas Laterais: Ricardo Pereira, Nélson Semedo e Mário Rui;
Defesas centrais: Pepe, José Fonte, Rolando e Rúben Dias;
Médios: William, Adrien, Sérgio Oliveira, João Moutinho, Manuel Fernandes e João Mário;
Avançados: Bernardo Silva, Gelson Martins, Quaresma, Ronaldo, Gonçalo Guedes, André Silva e Rony Lopes.

Aposta na polivalência

Escolher os 23 eleitos para Portugal levar ao Mundial da Rússia foi uma tarefa duplamente difícil. Primeiro pela escassez de opções válidas em setores como o centro da defesa ou o centro do ataque. Depois, pela abundância de jogadores de qualidade nas laterais e no meio-campo. Perante este segundo ponto, torna-se quase impossível não cometer injustiças. E essa foi a minha principal meta: premiar jogadores que fizeram temporadas de alto nível e que estão em excelente momento de forma.

Começando pela defesa, pois a baliza parece estar resolvida, julgo que apostaria na polivalência de dois laterais direitos de excelência. Isto de forma a libertar mais uma vaga para a frente. Assim, Ricardo Pereira, que fez uma época tremenda, e Nélson Semedo poderiam, em último caso, remediar à esquerda, para onde escolhi apenas o lateral esquerdo português em melhor forma da atualidade - e menos propício a lesões.

Para o eixo da defesa, a época de Rolando tem de merecer uma chamada. Menos convicta é a escolha de Rúben Dias, sobretudo pela falta de maturidade nestes palcos. No entanto, a falta de opções válidas acaba por conceder-lhe uma vaga nesta lista. Até porque já não me parece razoável a aposta num central veterano, que nos últimos tempos passa mais tempo no banco do que a jogar… na Liga escocesa.

O meio-campo é uma dor de cabeça. Rúben Neves que me perdoe, mas apostava apenas em William para a posição “6” e confiava na capacidade de Adrien, Moutinho ou Sérgio Oliveira – outra grande temporada – de fazerem essa posição. Depois, em virtude da época que fez, Manuel Fernandes tem de estar! Até porque faz bem de falso ala/interior, naquela zona do terreno onde Fernando Santos gostava muito de apostar em André Gomes – é assim, na esquerda, que joga sempre no Lokomotiv. (Sim, sei que falta Bruno Fernandes, que também fez uma época extraordinária. Mas penso que não se enquadra no “8” à imagem de Fernando Santos e nas alas perde a corrida para outros nomes).

Por fim, na frente de ataque penso que as escolhas do selecionador nacional não vão fugir muito das minhas. Há pouca margem para discussão. Mas como poupei um lateral, posso colocar aqui o meu “joker”. Sei que, infelizmente, não acontecerá, pois a qualidade na frente é absurda. Contudo, a época goleadora protagonizada por Rony Lopes merecia esta “prenda” – deixem-me ter um guilty pleasure…

Já fez as suas escolhas? Se não fez, siga este link.