Portugal
"Não seria capaz de jogar no FC Porto ou no Sporting, não ia ser feliz"
2020-05-09 20:40:00
André Horta, médio do SC Braga, lembra que é adepto do Benfica

André Horta, médio do SC Braga, assumiu não seria “capaz” de representar FC Porto ou Sporting por ser adepto do Benfica.

Em conversa nas redes sociais com Alessandro Patias, antigo jogador de futsal do Benfica, o médio que já representou as águias (16 jogos) garantiu ter “respeito pelos rivais”, que “engrandecem o futebol português”, mas recusou a hipótese de aceitar representar qualquer um deles.

“Tenho de ser sincero: não, não jogava. Sinto que não seria capaz, não ia ser feliz”, explicou.

“É sempre complicado ir jogar à Luz como adversário, eles jogam muito”, brincou.

“Confesso que é um sentimento diferente, mas quando entro em campo estou ali para proteger os meus, a minha equipa, dar o máximo e fazer tudo para ganhar. Depois, no final do jogo, voltamos a ser amigos. E eu tenho lá muitos”, acrescentou, já mais a sério.

Com a troca de Sá Pinto por Rúben Amorim (que entretanto rumou ao Sporting, sendo substituído por Custódio) no comando técnico do SC Braga, André Horta foi perdendo espaço.

“Voltei pelo meu irmão [Ricardo Horta], claro, mas também pelo presidente e pelo mister Abel [Ferreira, ex-treinador do SC Braga]. No entanto, assim que eu cheguei, o mister Abel foi para o PAOK”, recordou.

Seguiu-se Sá Pinto, com quem o médio foi titular, e depois Rúben Amorim, que o ‘encostou’.

“Houve uma alteração de sistema, ele tirou um médio para colocar mais um defesa. Na cabeça dos treinadores, como eu não tenho características muito defensivas, eles acham que, quando jogamos só com dois no meio-campo, eu sou menos um para defender”, explicou André Horta.

Apesar de ter perdido espaço, o médio não contestou a decisão do técnico.

“No caso do mister Rúben, falámos muitas vezes sobre o assunto. Ele teve um grande sucesso e só seu eu fosse estúpido é que ia questionar as suas opções quando estávamos a ganhar os jogos todos”, concluiu.