Portugal
Luís Castro responde a Francisco J. Marques e às acusações de antijogo
2019-02-07 15:20:00
"Somos uma equipa muito honesta, muito digna, que vai a jogo com satisfação", diz o técnico do Vitória

FC Porto e Vitória de Guimarães ainda trocam argumentos relativamente ao embate do passado final de semana, que terminou num empate. Depois das críticas de Francisco J. Marques ao "antijogo" vitoriano, mencionando, por exemplo, a lesão de Alexandre Guedes, o Vitória respondeu pelo diretor de comunicação, Carlos Ribeiro, que aconselhou o Serviço Nacional de Saúde a contratar o dirigente azul e branco. Agora, é a vez de Luís Castro abordar o tema. "As declarações são da responsabilidade de cada um e a mim não me causa qualquer estranheza", disse o técnico.

“Estou consciente do fenómeno em que participo, o fenómeno desportivo, em concreto o futebol. Se me pergunta se me espantei, respondo que não. Não me espanto com nada nem me sinto incomodado com nada”, começou por dizer, na conferência de imprensa de antevisão do encontro com o Tondela.

Luís Castro falou em dignidade, rebatendo as palavras do diretor de comunicação do FC Porto.

“Somos uma equipa muito honesta, muito digna, muito profissional, que vai a jogo com muita satisfação, que gosta de jogar. Fizemos uma média de 57 minutos de tempo útil que é o tempo útil do FC Porto nos seus últimos 10 jogos – portanto, entroncamos na média do FC Porto”, disse.

O técnico do Vitória garantiu ainda que a sua equipa se entregou “por completo” ao jogo, perante “uma equipa poderosa”, que criou “muitas dificuldades”.

“No que diz respeito ao tempo útil, observei as imagens dos guarda-redes, das suas ações e… tudo normal”, prosseguiu, lembrando que a partida com os dragões (que terminou empatada) teve algumas incidências que obrigaram a paragens.

“Infelizmente, tivemos uma lesão do Guedes. E infelizmente o FC Porto teve a lesão do Marega. Essas lesões levaram algum tempo de assistências. Quer o Guedes, quer o Marega, à semelhança de todos os jogadores, são muito honestos”, insistiu.

A terminar, um recado implícito: “Essas declarações são da responsabilidade de quem as profere. A mim, não me causam estranheza, neste mundo do futebol”.

No programa 'Universo Porto da Bancada', no Porto Canal, recorde-se, durante a semana, Francisco J. Marques queixou-se do antijogo do Vitória de Guimarães frente ao FC Porto e destacou vários lances que, no entender do dirigente portista, fizeram parar a partida no D. Afonso Henriques.

"Esta paragem serviu para parar o jogo. Mais de três minutos de paragem a meio da segunda parte é impensável. Quebrou o ritmo e deu oportunidade de recuperar o fôlego numa altura de pressão do FC Porto. Não se tratava de nenhuma lesão grave", falou Francisco J. Marques, na altura, sobre a lesão de Guedes, que foi transportado para o hospital com suspeitas de um traumatismo cranioencefálico.

Sê o primeiro a comentar: