Portugal
Lista B quer V. Guimarães entre as quatro melhores equipas lusas em 2022
2019-07-17 09:10:00
Eleições no clube vimaranense são no sábado

O candidato da lista B às eleições do Vitória de Guimarães, Miguel Pinto Lisboa, salientou que o futebol do emblema da I Liga portuguesa vai ser valorizado pelo "conhecimento" de Carlos Freitas, homem que escolheu para diretor-geral.

Concorrente às eleições de sábado, tal como António Miguel Cardoso (lista A) e Daniel Rodrigues (lista C), o líder do movimento 'Todos Vitória' adiantou que o antigo diretor desportivo de Sporting, Braga e Fiorentina (Itália) vai ajudar os vimaranenses a desenvolverem a "estrutura" para o futebol e a alargarem a rede de prospeção de jogadores.

"O facto de o Carlos Freitas ser uma pessoa com projeção internacional, experiência e contactos valoriza o nosso posicionamento e pode ajudar o Vitória na prossecução dos seus objetivos. É um homem com um profundo conhecimento do mercado e dos jogadores", disse, em entrevista à agência Lusa.

O 'rosto' da lista B confirmou o desejo de ter o Vitória entre as quatro melhores equipas portuguesas em 2022, tendo prometido, para esse fim, a aposta em "parcerias com agentes do futebol", a contratação de "talentos em fase precoce", a baixo custo, e a rejeição de empréstimos sem contrapartidas.

"Não queremos empréstimos de jogadores. Estamos disponíveis para ter partilhas de passes de jogadores e para ter empréstimos, desde que tenhamos opção de compra ou uma percentagem sobre uma futura mais-valia", afirmou.

Miguel Pinto Lisboa reconheceu, porém, que espera, inicialmente, "reduzir os gastos com a equipa profissional e com a equipa técnica" para um valor equivalente a 60% das receitas operacionais da SAD, de acordo com os critérios estabelecidos pela UEFA.

O candidato defendeu ainda que o clube, detentor de 40% das ações da SAD, deve "ter uma liderança firme e independente na SAD" e mostrou-se convicto de que o acionista maioritário, Mário Ferreira (57% do capital), vai concordar com o seu "plano estratégico" para o Vitória.

Caso Mário Ferreira não concorde com o seu plano, o líder da lista A tenciona comprar-lhe as ações, através de uma "operação de crédito a nove ou a 15 anos", com um encargo anual para o clube, ou de um empréstimo obrigacionista, com a criação de uma SGPS associada aos vitorianos.

Apesar de o acionista maioritário ter vincado, num comunicado emitido na segunda-feira, que está "indisponível para vender as ações nesta fase", Pinto Lisboa adiantou que a operação, caso venha a acontecer, vai deixar o clube com 97% das ações e originar uma Assembleia-Geral para alienar parte desse capital.

"Nessa Assembleia-Geral, o que eu proporia aos sócios era alienar 46% e o Vitória ficar com 51, para garantir a liderança na SAD. Mas eles teriam de estar de acordo", disse.

Desejoso de ver "mais jovens da formação a chegarem à equipa principal para serem mesmo titulares", o candidato reconheceu que a academia do clube, face ao crescimento do número de equipas, está "curta".

Miguel Pinto Lisboa prometeu ainda criar uma equipa de futebol feminino já na próxima época, para competir na III Divisão, e disse ter o objetivo de vê-la na I Divisão, no final do seu mandato.