Portugal
"Lamento não termos o estádio cheio, porque dá gosto ver os adeptos do Vitória"
2019-09-07 16:40:00
Carvalhal fez o lançamento do jogo frente ao Vitória de Guimarães

O treinador do Rio Ave lamentou hoje que o estádio do clube não possa encher no desafio de domingo, com o Vitória de Guimarães, no jogo em atraso da I jornada da I Liga portuguesa de futebol.

O recinto dos vila-condenses tem problemas estruturais numa das bancadas, que teve de ser interditada ao público, reduzindo, significativamente, a capacidade de acolher adeptos das equipas visitantes, algo que Carlos Carvalhal admite deixar "o espetáculo mais pobre".

"Lamento não termos o estádio cheio, porque dá gosto ver os adeptos do Vitória de Guimarães a vibrar com a equipa. Nós profissionais gostamos de ter gente nos jogos, mas infelizmente houve este incidente a que somos alheios, e que fará com que a bancada não esteja disponível para a época. Será assim para todos os clubes que nos visitem", lamentou o treinador do Rio Ave.

Para este desafio com os vimaranenses, o Rio Ave, tal como o adversário, não vai poder contar com alguns elementos que se têm destacado no 'onze', nomeadamente o iraniano Taremi, que está ao serviço da seleção dos seu país, assim como o central Aderllan Santos, que ainda não tinha sido inscrito na data em que o jogo deveria ter sido realizado, na ronda inaugural da Liga.

"Não podemos valorizar essas ausências. Temos de jogar e encontrar soluções. Estamos focados na nossa identidade e, independentemente do adversário, estamos a preparar uma dinâmica. Temos apresentado um bom futebol em casa, ganhámos 6-1 à Oliveirense [Taça da Liga] e 5-1 ao Aves [campeonato] e queremos dar continuidade", disse Carlos Carvalhal.

Apesar da ambição de "somar mais três pontos", o treinador do Rio Ave antecipou "um jogo difícil", deixando elogios ao trabalho desenvolvido pelo Vitória de Guimarães neste início de época.

"É uma equipa bem organizada, que o Ivo [Vieira] preparou bem. Tem uma identidade bem vincada, um futebol que não fácil contrariar, com uma boa dinâmica ofensiva. Mas estamos prontos para as dificuldades do jogo, e com olhos postos nos três pontos", garantiu o treinador do Rio Ave.

Na última jornada, os vila-condenses arrancaram uma vitória por 3-2, no reduto do Sporting, mas Carlos Carvalhal não considera que a sua equipa já tenha conquistado um estatuto de equipa "temível" para os adversários.

"Estamos no início do campeonato, e ainda não temos um estatuto. Acredito que o vamos ter perante, mas o nosso propósito é teremos uma dinâmica que levem os adversários a ter de subjugar a sua identidade em função da estratégia", disse o treinador do Rio Ave.

Na sequência dessa derrota infligida ao Sporting, o treinador dos ?leões' Marcel Keizer, acabou despedido, algo que Carlos Carvalhal lamentou.

"Não quero emitir opinião sob casos individuais, mas, na generalidade, acho muito mau para qualquer clube despedir um treinador há quarta jornada. Custa-me entender. Mas são os tempos que correm, em que nós treinadores temos de ser, muitas vezes, o escape de erros que muitas vezes não são nossos", desabafou Carvalhal.

Para este jogo com vitória de Guimarães, o treinador do Rio Ave convocou todos os disponíveis do plantel, ficando de fora Taremi, ao serviço da seleção do Irão, Nadjack, lesionado, e os reforços Aderllan Santos, Diogo Figueiras e Lucas Piazon, que na altura em que jogo estava inicialmente agendado, ainda não tinham sido inscritos.

O Rio Ave, mesmo com menos um jogo, ocupa atualmente o sétimo lugar na tabela classificativa, com seis pontos, enquanto que o Vitória de Guimarães é 16.º, com 2.

A partida deste domingo entre ambos, está agendado para as 15:00, no estádio dos Arcos, em Vila do Conde.