Portugal
Júlio Mendes apresenta demissão do Vitória
2019-05-27 16:30:00
Restantes elementos da direção também renunciam e clube vai avançar para eleições antecipadas

Júlio Mendes demitiu-se hoje da presidência do Vitória de Guimarães, clube da I Liga portuguesa de futebol, tendo alegado que a contestação de um grupo de sócios está a impedir a concretização do projeto da sua direção.

"Anuncio a renúncia aos cargos que exercemos no Vitória Sport Clube. Vamos assegurar a gestão do clube e a preparação da próxima época desportiva até à realização das próximas eleições. Afastar-nos-emos logo de seguida", frisou, numa conferência de imprensa no complexo desportivo do clube, acompanhado dos vice-presidentes Armando Marques, Hugo Freitas, Francisco Príncipe e Pedro Coelho Lima.

Depois de ter sido vice-presidente do clube entre 2010 e 2011, num elenco liderado por Emílio Macedo da Silva, Júlio Mendes assumiu a presidência do Vitória em 31 de março de 2012, numas eleições em que bateu Pinto Brasil.

O dirigente foi reeleito em 2015, numas eleições sem concorrência, e, em 2018, no ato eleitoral mais concorrido da história do clube, em que derrotou Júlio Vieira de Castro, com 52% dos votos.

Júlio Mendes argumentou que a contestação incentivada pela ‘oposição' à sua liderança desde as últimas eleições até ao jogo em que o Vitória garantiu o quinto lugar na I Liga da época 2018/19, com um triunfo sobre o Moreirense (3-1), em 19 de maio, o levou a tomar a decisão de sair.

"Parte dos sócios do Vitória não conseguiu ultrapassar os resultados eleitorais de 24 de março de 2018. De qualquer eleição, não têm de resultar consensos, mas também não tem de resultar um ambiente de injúria", disse.

Outra das razões mencionadas por Júlio Mendes para justificar a demissão foi a indisponibilidade demonstrada pelos sócios para abrirem a SAD vitoriana, criada em 2013 para gerir o futebol, a maior investimento externo, de acordo com o que se passou na assembleia geral de 08 de setembro de 2018 - 57% dos sócios então presentes recusaram discutir essa mudança.

O presidente demissionário que acrescentou que o Vitória de Guimarães, sem mais investimento externo na SAD, pode perder a oportunidade de lutar época após época pelos lugares cimeiros da I Liga e de ser alcançado por "clubes de dimensão muito inferior", mas mais "atrativos para investimento".

"Há três anos que a Vitória SAD não recebe qualquer financiamento dos seus acionistas, o que se compreende face à indisponibilidade para mudar a governação da SAD. Ela não gera receitas extraordinárias. A exigência dos sócios não é compatível com esta falta de investimento", disse.

Júlio Mendes enalteceu ainda o trabalho da direção por si liderada ao longo dos últimos sete anos, nomeadamente a vitória na Taça de Portugal, em 2013, a presença em mais uma final da ‘prova rainha' (2017) e os quatro apuramentos para a Liga Europa (2013, 2015, 2017 e 2019).

O dirigente salientou ainda a diminuição do passivo do clube - caiu de 24 milhões de euros, em 2012, para 8,9 milhões, em 2018 -, a requalificação do Estádio D. Afonso Henriques e da academia e o aumento do número de espetadores nos jogos de futebol desde 2012.

Sê o primeiro a comentar: