Portugal
José Mourinho não vê problemas no "presidente-adepto" Bruno de Carvalho
Redação Bancada
2018-05-16 11:15:00
Sérgio Conceição, Rui Vitória e Jorge Jesus também foram tema de conversa

José Mourinho não vê qualquer problema no estilo de "presidente-adepto" utilizado por Bruno de Carvalho na liderança do Sporting. O treinador do Manchester United já lidou com presidentes semelhantes e não tem dúvidas que é uma situação completamente viável.

Questionado sobre Bruno de Carvalho e a sua atitude de "presidente-adepto", José Mourinho admitiu não ver qualquer problema e até deu o exemplo de Massimo Moratti, dono e presidente do Inter Milão com quem trabalhou. "Lidei com ele se calhar como nenhum treinador tinha lidado. Talvez por isso consegui retirar do presidente-adepto o melhor que ele tinha para dar e o presidente-adepto não esconde que nunca foi tão bom presidente como nos dois anos que esteve comigo. (...) Tem de haver comunicação, empatia, explicação, respeito. Presidente-adepto gosta de estar no balneário? Fantástico. Mas... aqui falo eu!", assegurou em entrevista ao jornal 'Record'.

Quando esteve no FC Porto, José Mourinho viu Pinto da Costa sentar-se várias vezes no banco de suplentes, tal como Bruno de Carvalho faz hoje no Sporting, mas não vê isso como um problema. "No FC Porto, ainda no meu tempo, algumas vezes o senhor presidente gostava de se sentar no banco. Qual é o problema? Nunca me disse: Mourinho tira A e mete B. Gostava de estar, desfrutava daquele momento. Por isso, não vejo qualquer tipo de problema. Às vezes há situações que gostamos de dramatizar."

Sobre a Primeira Liga, o treinador dos 'red devils' é da opinião que o FC Porto foi um justo campeão nacional. "Acho que sim, é um justo campeão. Vendo as coisas numa perspetiva de quem não acompanha o dia a dia, a veracidade ou não desta decisão da arbitragem ou daquela situação que aconteceu ou não, pois não tenho tempo nem interesse para acompanhar; olhando, pois, só para o jogo, acho que o FC Porto teve a consciência que os outros não tiveram", disse o técnico, negando ainda que a época do Benfica tenha sido um "fracasso". "Não acho que seja [um fracasso do Benfica]. Também aprendi a sentir que perder não é obrigatoriamente um fracasso, principalmente para quem ganhou quatro anos de seguida".

Confrontado com o recorde de pontos quebrado por Sérgio Conceição, Mourinho elogiou o colega e realçou que não é tão inexperiente como, por vezes, se pode dizer. "O Sérgio já tem uma boa experiência como treinador, inclusivamente com uma passagem por França. Como jogador tem um capital de experiências seguramente útil para a sua carreira de treinador. Está num patamar diferente", referiu, garantindo ainda que Rui Vitória e Jorge Jesus não deviam sair dos respetivos clubes. "Penso que Benfica e Sporting têm dois dos melhores treinadores portugueses. Na minha modesta opinião, não vejo razão para qualquer um deles mudar."

Por fim, José Mourinho comentou as hipóteses de Portugal no Mundial. "Pode [ser campeão do Mundo], mas também pode ir para casa cedo. Este cedo não é na fase de grupos, mas logo a seguir. Mas se Portugal for para casa cedo, que eu espero que não vá, eu recuso dizer que o presidente não é super, que o Tiago Craveiro não é um CEO do melhor que há no Mundo, que o Fernando Santos não é um grande treinador. [Dependência de Ronaldo?] É injusto carregar a mochila dele com todo esse peso. Não acredito que não meta quatro ou cinco golos, mas se não marcar nenhum vamos mudar o nome do aeroporto do Funchal para Alberto João Jardim? Ele irá com tudo aquilo que tem para dar. Se não conseguir fazer a diferença, paciência", concluiu.

Sê o primeiro a comentar: