Portugal
"Há treinadores que até são bons na altura da relva", diz Jaime Pacheco
2020-05-18 21:50:00
Técnico levou o Boavista à conquista do título nacional há 19 anos

Jaime Pacheco não aceita que coloquem em causa os méritos do Boavista na conquista do campeonato de 2000/01, em especial quando são tal é feito por outros treinadores.

Sem identificar os alvos, o técnico que levou os axadrezados a esse título inédito afirmou que "há treinadores que até são bons na altura da relva", ao conversar com antigos atletas na Quarentena da Bola.

"Quem costuma pôr em causa o que esses briosos atletas conseguiram não sabe a qualidade deles como seres humanos e profissionais. Só com essa estirpe de jogadores, com aquela garra e profissionalismo, conseguimos fazer sempre sombra aos três grandes, não foi só no ano do título", sustentou.

O segredo do Boavista esteve na "intensidade", uma característica que Jaime Pacheco impunha até nos treinos.

"Os outros treinavam hora e meia, vocês treinavam duas horas e pico. Vocês corriam muito, parecia que o adversário caía aos vossos pés. Escreveram um livro contra nós a dizer que só íamos para o Parque da Cidade correr. Íamos treinar, os outros iam 'oxigenar'", insistiu o antigo treinador das panteras.

O Boavista "corria muito", mas também tinha "qualidade" com bola.

"Vocês treinavam tanto, tanto, tanto... Já tive outros atletas, muito bons profissionais, mas sem bons jogadores ninguém ganha nada. O título foi a cereja em cima do bolo, mas foram muitos anos, com rasteiras que nos passavam aqui e acolá", continuou o treinador.

Jaime Pacheco, que como jogador também representou o FC Porto (que no ano do título boavisteiro ficou em segundo, com apenas um ponto de atraso), assumiu que a passagem pelo Bessa lhe deixou "uma relação agridoce" com os dragões.

"É clube que me deu muito, mas vocês eram a minha família. Passei por problemas graves, até na família, por defender o meu clube com alma e coração. Ainda hoje tenho algumas questões mal resolvidas", revelou.

Nesta conversa com Ricardo, Litos (de quem disse que Virgil van Dijk, o melhor jogador da UEFA na última época, "é da mesma linhagem"), Martelinho e Filipe Gouveia, Jaime Pacheco contou ainda um desabafo de um outro jogador, Jorge Silva, a propósito da dureza dos treinos.

"Se não tivesse que pagar a prestação da casa e do carro desistia já", disse Jorge Silva ao então treinador do Boavista.