Portugal
“Estive para ir para o Benfica. Deus colocou-me no clube certo”, diz Jardel
2020-05-20 15:15:00
'Super Mário' lembra inteligência de Pinto da Costa e promessa “que Vilarinho não cumpriu”, o que o conduziu ao Sporting

Mário Jardel esteve ao lado de Drulovic, num direto nas redes sociais do Bola na Rede, nesta quarta-feira. O mestre das assistências e o matador recordaram os tempos em que contribuíram para um período de glória do FC Porto e, no caso de Jardel, para o último título alcançado pelo Sporting.

O Benfica não ficou, porém, fora desta história. Jardel foi confrontado com uma questão sobre a abordagem do clube da Luz, que teve a possibilidade de contratar o ‘matador’, por duas vezes, mas falhou.

“A resposta é curta. Quando o Paulo Nunes sai para o Benfica, o treinador era o Paulo Autuori. E ele disse ‘quero o Jardel, também’. E foi feita a proposta. Mas não sei como o presidente [Pinto da Costa] ficou a saber. E como inteligente que é, chegou por trás e disse ‘opá, é isto aqui’”, contou Jardel, aludindo à proposta azul e branca, que foi aceite.

Mais tarde, o Benfica faz nova abordagem, mas o destino viria a ser Alvalade, com o sucesso que se conhece.

“Por duas vezes estive para ir para o Benfica. Deus colocou-me no clube certo, no momento certo, com os jogadores certos”, afirmou.

A propósito desse segundo ‘round’ dos encarnados, Jardel critica Manuel Vilarinho, que apresentava o jogador como trunfo eleitoral.

“Vilarinho falou para o país todo que, se fosse eleito, me contrataria. Eu fiquei a saber. Nós acertamos um contrato e ele não cumpriu. Quem ficou a perder foi o Benfica. São coisas lamentáveis que eu espero que não aconteçam nunca mais. Se eu pudesse voltar atrás, não teria feito o acordo”, realçou.

Jardel representava então o Galatasaray, na época 2000/01, e regressaria mesmo a Portugal, na temporada seguinte, para vestir a camisola do Sporting, onde se sagrou campeão, com 67 golos marcados em duas temporadas.

“O último título que o Sporting ganhou foi comigo... É impressionante”, assinala. Recordando os dois clubes que representou em solo luso, o antigo futebolista divide louros com alguns companheiros de equipa, com quem fez duplas fortíssimas (sobretudo com Drulovic no FC Porto e com João Pinto no Sporting).

“Tive passagens marcantes por Portugal, com Drulovic, Sérgio Conceição, João Pinto, Capucho e outros jogadores que me ajudaram... Estou muito grato por ser cidadão português, por ter filhos portugueses, por ser o melhor estrangeiro da história do futebol português. Mas não fiz isto sozinho. Fiz com a ajuda dos meus companheiros”, sublinha.

Também Drulovic tinha histórias guardadas, que partilhou neste direto no Bola na Rede. Histórias que envolvem Vieira e um jovem que foi traído pelo infortúnio.

“Quando eu estava no Benfica, falei com o Mário, que queria voltar da Turquia para Portugal. Até falei com Luís Filipe Vieira, mas na altura o Mário acabou no Sporting, por causa do nosso amigo Pedro Mantorras, que era uma grande aposta do Benfica. O Mário foi para o Sporting, mas se tivesse vindo para o Benfica, éramos campeões”, garante Drulovic.

“Lembro-me de estarmos a ganhar por 2-0 e o Sporting conseguiu empatar., com dois golos do Mário. O Sporting passa para primeiro lugar, onde nós estávamos, e acabou campeão. Com o Mário Jardel, seria impossível perder aquele campeonato”, complementa.