Portugal
"Entendo Pinto da Costa. É preciso estar em Lisboa para perceber a carneirada"
2020-02-21 13:40:00
Bruno de Carvalho comenta ida do presidente do FC Porto a tribunal no âmbito do processo de Alcochete

Pinto da Costa prestou declarações em tribunal, nesta semana, no âmbito do processo de ataque à academia do Sporting na qualidade de testemunha.

Bruno de Carvalho, um dos arguidos deste caso, explica que as declarações do presidente do FC Porto têm de ser analisadas à luz daquilo que este presenciou em algumas visitas do Sporting ao Dragão relativamente a episódios que ocorreram entre dirigentes leoninos na tribuna do estádio azul e branco.

"Num jogo contra o FC Porto na tribuna do Dragão o Jaime Marta Soares ficou indignado porque um adepto famoso do FC Porto me disse: 'Presidente se me tivesse ao lado era o rei do mundo'. E Jaime Marta Soares ficou indignado", contou Bruno de Carvalho, em declarações na rádio 'Estádio'.

O antigo presidente do Sporting olha para a presença de Pinto da Costa em tribunal e diz que este "é muito claro" quando diz que "conheceu muitos presidentes do Sporting".

"Pinto da Costa diz que não percebe como passo de um líder de 90 por cento [votação] para um líder contestado. Ele sabe tudo que aconteceu e diz que nada do que aconteceu teve que ver comigo. Entendo Pinto da Costa. É preciso estar em Lisboa para perceber a carneirada. Ele não compreende como é lógico. Só alguém demente acha que Bruno de Carvalho teve algo que ver com o que aconteceu."

O antigo presidente do Sporting aproveita ainda para recordar um momento passado na tribuna do Dragão, num jogo entre FC Porto-Sporting, para lembrar que numa dessas visitas tinha Jaime Marta Soares a seu lado e o então líder da Mesa da Assembleia-Geral terá afirmado que iria avançar com uma Assembleia para tentar a destituição de Bruno de Carvalho.

Aí, segundo conta agora o ex-presidente dos leões, este disse a Pinto da Costa: "'Você também teve de lutar contra os seus croquetes e venceu'".

Ao longo do julgamento, que começou em 18 de novembro de 2019 e decorre no tribunal de Monsanto por questões de logística e segurança, já foram ouvidas mais de 60 testemunhas.

O processo tem 44 arguidos, acusados da coautoria de 40 crimes de ameaça agravada, de 19 crimes de ofensa à integridade física qualificada e de 38 crimes de sequestro, todos estes (97 crimes) classificados como terrorismo.

Bruno de Carvalho, ‘Mustafá’, líder da Juventude Leonina, e Bruno Jacinto, ex-oficial de ligação aos adeptos do Sporting, estão acusados de autoria moral de todos os crimes.