Portugal
Pinto da Costa "chocado" mas "não surpreendido" com E-Toupeira
2019-09-11 22:15:00
Dirigente reage ao facto de a SAD encarnada não ir a julgamento

Pinto da Costa diz não ter ficado surpreendido com o facto de a SAD do Benfica não ir a julgamento no âmbito do processo E-Toupeira.

"Não me admirou nada", referiu, dizendo que algumas coisas o deixaram desconfortável.

"Só fiquei chocado em ouvir na rádio o juiz que se defendeu da sua decisão, atirando a responsabilidade para a PJ", disse, em declarações à margem da apresentação de um livro no Palácio da Bolsa, no Porto, já depois de ser conhecida a tomada de posição do emblema portista.

O presidente do FC Porto aproveitou ainda para defender a Polícia Judiciária, dizendo que ouviu no rádio algo que o "entristeceu".

"Dizer que o juiz atribuiu à Polícia Judiciária a culpa de não ter feito bem o seu trabalho", confessou, dizendo ser "lamentável" pois "se há entidade que merece todo o respeito e tem história e trabalho exemplar é a PJ".

"Se foi para atirar a responsabilidade para cima da PJ é realmente lamentável".

O Tribunal da Relação de Lisboa (TRL) decidiu hoje não levar a julgamento a SAD do Benfica no âmbito do processo 'e-toupeira', mantendo a decisão instrutória da juíza Ana Peres, do Tribunal Central de Instrução Criminal.

Em 21 de dezembro do ano passado, a juíza Ana Peres, do Tribunal Central de Instrução Criminal (TCIC), não pronunciou (não levou a julgamento) a SAD do Benfica por nenhum dos 30 crimes pelos quais foi acusada pelo Ministério Público (MP), nem o funcionário judicial Júlio Loureiro, mas pronunciou o antigo assessor jurídico do Benfica Paulo Gonçalves e o funcionário judicial José Silva.

O MP interpôs recurso para o TRL, que foi distribuído ao juiz/relator Rui Teixeira, no qual o procurador Válter Alves defendia a pronúncia da SAD 'encarnada' por um crime de corrupção ativa, outro de oferta ou recebimento indevido de vantagem e 28 crimes de falsidade informática: os 30 crimes que constam da acusação por si proferida.