Portugal
Com um início assim, o final era desnecessário
Luís Santos Castelo
2017-09-12 22:55:00
Vitória do Sporting em Atenas foi importante e justa, mas os dois golos do Olympiacos podiam ter sido evitados

Quase nove anos depois, o Sporting voltou a ganhar fora de casa na fase de grupos da Liga dos Campeões e assegurou os primeiros três pontos ao bater o Olympiacos em Atenas por 3-2, num jogo que ficou marcado pela primeira parte de nível bastante elevado protagonizada pelo clube de Alvalade. Com 3-0 ao intervalo, o Sporting não tinha necessidade de tremer da forma que o fez, permitindo a Pardo marcar dois golos e fazer com que o Olympiacos encostasse nos lisboetas.

O início foi de sonho para o clube leonino. Logo no segundo minuto, Acuña voltou a ser o 'assistente' de serviço e colocou a bola na cabeça de Doumbia. O costa-marfinense, lançado novamente por Jesus no onze inicial num jogo europeu fora de casa - já tinha acontecido em Bucareste, contra o Steaua -, respondeu da melhor maneira e inaugurou o marcador, fazendo também o primeiro golo da fase de grupos desta edição da liga milionária. Na segunda oportundiade, segundo golo, e novamente com Doumbia envolvido. Num contra-ataque simples e rápido, Gelson foi lançado pelo avançado e, perante o guarda-redes Kapino, marcou o 2-0.

Após o arranque demolidor, seria de esperar alguma resposta por parte do Olympiacos, mas não foi isso que aconteceu. O Sporting continuou a carregar e, num espaço de cinco minutos, Bruno Fernandes atirou ao poste e Kapino defendeu as investidas de Doumbia e Coates. Os leões estavam por cima e prometiam não abrandar, enquanto os vermelhos e brancos tentavam a sua sorte com remates esporádicos, mas Patrício nunca foi incomodado. A cinco minutos do intervalo, nova bola nos ferros do Olympiacos quando Gelson atirou à barra, mas o terceiro chegaria mesmo logo a seguir. Com um passe a rasgar toda a equipa adversária, Coates serviu Bruno Fernandes e o médio goleador do Sporting voltou a faturar esta temporada tocando gentilmente na bola, que só parou no fundo das redes.

Doumbia voltou a ser titular num jogo europeu enquanto visitante e marcou o primeiro do Sporting (Panagiotis Moschandreou/EPA)

A segunda parte adivinhava-se tranquila, com o Sporting a controlar as tentativas do Olympiacos que, naturalmente, iria procurar reduzir a desvantagem. Foi assim durante muito tempo, num jogo que perdeu o ritmo e a intensidade colocadas em cima da mesa pelos leões na metade inicial. Contudo, aos poucos, os gregos foram subindo no terreno e ameaçando a mudança  Djurdjevic esteve perto de marcar (60' e 62'), Emenike não aproveitou o mau passe de Rui Patrício (64') e Coates impediu que o ponta-de-lança nigeriano chegasse à bola (76') mas o Sporting continuou a ter as melhores oportunidades, como Bas Dost fez questão de demonstrar duas vezes num minuto. Na primeira, Kapino defendeu, enquanto na segunda, de cabeça, a bola só parou na barra, perfazendo o trio de remates aos ferros do Olympiacos.

Tudo mudou no minuto seguinte. Felipe Pardo, antigo jogador do SC Braga, tinha entrado há minutos e passou por Jonathan Silva, primeiro, e por William Carvalho, depois, finalizando a jogada com um forte remate de pé esquerdo que Patrício não conseguiu defender. O colombiano não ficou satisfeito e, no último minuto dos três de compensação, voltou a marcar depois do cruzamento tirado pelo português Diogo Figueiras. Mal na fotografia, mais uma vez, ficou Jonathan Silva, que não conseguiu impedir que Pardo chegasse à bola. A vitória, essa, foi conseguida, assim como os três pontos e uma primeira parte de luxo, mas o final tremido não era esperado nem sequer justificado.

Sê o primeiro a comentar: