Portugal
Bruno de Carvalho: "É uma tomada de poder à força"
Redação Bancada
2018-06-13 12:30:00
Bruno de Carvalho disse ser "completamente ilegal tudo o que se está a passar".

Bruno de Carvalho, presidente do Sporting, reagiu de pronto à decisão da Comissão de Fiscalização do Sporting em suspender preventivamente a direção do clube, considerando que a decisão resulta de uma tentativa de "tomada de poder à força".

"Aqui está a golpada que estou a falar faz 2 semanas.

Este pelotão de fuzilamento que se auto-intitula Comissão de Fiscalização foi criada para isto:

1. Nunca quiseram realizar a AG de dia 23;
2. É uma tomada de poder à força;
3. É completamente ilegal tudo o que se está a passar.

Os sócios têm de se revoltar perante esta tomada de poder!

Quem manda no Clube são os sócios todos e não meia dúzia!", publicou Bruno de Carvalho na sua conta de Facebook.

Bruno de Carvalho deu ainda a conhecer o conteúdo da nota de culpa recebida. Bruno de Carvalho deu ainda a conhecer o conteúdo da nota de culpa recebida e irá reagir oficialmente, em conferência de imprensa, a partir das 14h00.

Já em declarações à SIC Notícias, Bruno de Carvalho voltou a reiterar a ilegitimidade da Comissão de Fiscalização nomeada por Jaime Marta Soares: "Vocês supõem que aquilo é a Comissão quando o Conselho Diretivo já informou claramente que aquela não é a Comissão de Fiscalização do Sporting. Quem tem que dizer alguma coisa em algum momento é um juiz. Tomamos decisões e esta Comissão de Fiscalização estava criada na altura apenas para me expulsar. Esta comissão não tem validade nenhuma".

Bruno de Carvalho disse ainda que ninguém esta suspenso: "Não temos de fazer nada porque estes senhores é que têm que provar que estão legítimos, porque não estão. Eu vou trabalhar normalmente, vou fazer as coisas normalmente porque estes senhores não são legítimos. Estão zangados connosco e isto é uma tristeza". 

Bruno de Carvalho confirmou ainda que o novo treinador do Sporting já está decidido e assegurou que o clube vai contratar os melhores advogados "para resolver estas questões das rescisões".

Sê o primeiro a comentar: