Portugal
Benfica pretendia interdição do Dragão no caso da tarja
2019-09-10 14:35:00
Multa aplicada ao FC Porto é “uma decisão difícil de entender”, insiste Varandas Fernandes

Depois de ter criticado a decisão do Conselho de Disciplina da Federação, que aplicou uma multa pela tarja exibida no Estádio do Dragão, na última ronda da época passada, o Benfica volta à carga, através do vice-presidente Varandas Fernandes.

Em declarações à Rádio Renascença, aquele dirigente considera que a tarja “injuriosa” e a multa, nesse sentido, “é difícil de entender”.

“É difícil e singular a decisão do Conselho de Disciplina da Federação Portuguesa de Futebol de aplicar esta punição com uma multa de 1150 euros. No nosso entender, essa tarja é injuriosa para as mais variadas instituições e personalidades, e esse castigo, segundo sabemos, é suportado por uma interpretação de simples comportamento social e/ou desportivo incorreto”, afirma Varandas Fernandes.

O dirigente lembra que “o Benfica tem tido punições de jogos à porta fechada por adeptos usarem símbolos de claque...”.

“Queremos acreditar que os órgãos de justiça desportiva têm isenção e imparcialidade”, realça ainda.

Segundo escreve o clube da Luz, no seu site oficial, deveria haver lugar a uma punição mais severa.

“O estádio portista poderia ser interditado se o referido delito – visando as mais variadas personalidades políticas, judiciais e da arbitragem – tem sido enquadrado no artigo 118 do regulamento que aborda os casos de grave prejuízo para a imagem e bom-nome das competições de futebol”, pode ler-se.