Portugal
B-A-S D-O-S-T, a máquina está de volta
António José Oliveira
2018-03-12 21:50:00
O internacional holandês entrou e seis minutos bastaram para lançar o Sporting rumo ao triunfo em Chaves

Um bis de Bas Dost permitiu ao Sporting vencer o GD Chaves em Trás-os-Montes por 2-1 e reposicionar-se na corrida pelo título de campeão nacional, agora a cinco pontos de distância do FC Porto e a três do Benfica. O internacional holandês entrou aos 56 minutos e seis minutos depois os leões estavam na frente do marcador. Mas a sua importância transcendeu o mero capítulo da concretização, tendo em conta que mexeu com toda a equipa conferindo-lhe a acutilância que faltava.

Sem poder contar com Bruno Fernandes e Acuña, ambos a cumprir um jogo de suspensão, e Fábio Coentrão, adoentado, Jorge Jesus começou o jogo com Bas Dost no banco de suplentes e Misic em estreia como titular. Battaglia foi o lateral-direito e Bruno César alinhou no flanco oposto, mas por pouco tempo, pois cedeu o lugar a Lumor devido a lesão logo aos 14 minutos. Bryan Ruiz surgiu mais descaído sobre o lado direito, com Rúben Ribeiro em idênticas funções no flanco oposto, enquanto Gelson iniciou o desafio no apoio direto a Montero, o homem mais avançado. Já Luís Castro, sem Domingos Duarte e Matheus Pereira, cedidos por empréstimo dos leões, recorreu a Nuno André Coelho para a zona central da defesa e a Perdigão para ala direita do meio-campo/ataque, disposto na habitual estrutura de 4x3x3, com Pedro Tiba, Jefferson e Bressan na zona central do terreno. 

A primeira parte foi pautada pelo equilíbrio sem que qualquer das equipas tenha conseguido vincar superioridade evidente sobre a outra. As oportunidades escassearam, resumindo-se a uma ocasião flagrante para os dois lados. Primeiro, foi o GD Chaves a ameaçar com Rui Patrício a efetuar uma estrondosa "mancha" a um remate do isolado William; depois foi Ricardo a brilhar na sequência de um remate de Gelson, também em posição privilegiada para marcar. Até ao final do primeiro tempo, destaque somente para um lance em que Montero deixou muito a desejar perdendo o tempo de remate para exasperação de Jorge Jesus.

A segunda parte começou com as equipas mais acutilantes. Rúben Ribeiro, em boa posição, rematou ao lado, e Nuno André Coelho permitiu uma excelente defesa a Rui Patrício. Mas foi o minuto 56 que tudo mudou. Jorge Jesus fez sair Misic e lançou Bas Dost em jogo. O internacional holandês revelou-se determinante por si próprio, mas também pela implicação que teve na estrutura leonina. O Sporting deixou o 4x2x3x1 com que atuou preferencialmente na primeira parte e adotou o habitual 4x4x2. Bryan Ruiz, em mais um bom jogo, recuou para o lado William Carvalho, Gelson passou para o lado direito, onde é mais utilizado, com Rúben Ribeiro no lado esquerdo. Na frente de ataque, uma dupla declarada constituída por Montero e Bas Dost.

Alterações feitas, seis minutos bastaram para o holandês voador colocar o Sporting na frente do marcador, a responder da forma que melhor sabe (de cabeça) a um cruzamento da esquerda de Rúben Ribeiro. Estava feito o primeiro golo. Bas Dost conferiu outra acutilância e outro ânimo ao Sporting, que fez mais remates nesta fase do que em toda a primeira parte. Bryan Ruiz por três vezes no mesmo lance aos 64 minutos, Battaglia aos 65 e Coates aos 66 tiveram oportunidade para aumentar o "placard".

A perder, o GD Chaves procurava discutir o jogo pelo jogo e a entrada de Jorginho deu novo fôlego ao ataque flaviense que teve a oportunidade maior aos 78 minutos quando Davidson rematou e Battaglia evitou o golo já perto da linha de baliza. Isto já depois de Bas Dost ter desperdiçado nova ocasião. O jogo estava emocionante e acabou por ser Bas Dost (quem haveria de ser?) a fazer novamente a diferença, bisando ao minuto 86. O desafio parecia estar definido mas Hugo Miguel decidiu assinalar penálti por alegada falta de Coates sobre Djavan, num lance muito discutível. Platiny não perdoou, enganou Rui Patrício e reduziu a desvantagem dos flavienses. Os leões ainda sofreram nos dois minutos de compensação que restavam mas seguraram o triunfo, ganhando nova vida na luta pelo título. Já o GD Chaves mantém a sétima posição, com 36 pontos, a quatro do quinto classificado, o Rio Ave.

 

 

Sê o primeiro a comentar: