Portugal
Auditoria forense às contas do Sporting. Dúvidas e dinheiro em parte incerta
2019-04-10 10:55:00
Jornal 'Record' avança com informações sobre inspeção forense às contas leoninas

As contas leoninas na 'era' Bruno de Carvalho foram passadas 'a pente fino' e o jornal 'Record' avança, nesta quarta-feira, com várias informações relativas à auditoria forense realizada pela Bakertilly (empresa que levou a cabo esta análise).

Desde logo, segundo se sabe, Jorge Jesus e a sua estrutura técnica custaram 25 milhões de euros, sendo que a grande fatia foi para o treinador que custou mais de 20 milhões.

O contrato de aquisição de Marcos Acuña também levanta dúvidas nomeadamente as cláusulas "não ativadas" no negócio que conduziu o argentino do Racing Avellaneda para Alvalade.

Citada pelo 'Record', esta auditoria nota falta de "esclarecimentos suficientes sobre a natureza e objetivo deste contrato" que foi, de acordo com o departamento jurídico, negociado "direta e exclusivamente pela administração".

Num contrato que contemplou três situações: a compra do jogador, o direito de preferência por três atletas do Racing e a realização de um encontro particular, a auditora não encontrou "evidência de que a Sporting SAD tenha exercido estes direitos, nem os motivos pelos quais os não exercem", relativamente a estas duas últimas situações, isto numa altura em que o emblema argentino tem reclamado que falta pagar uma tranche de 1,65 milhões de euros.

Também o departamento de scouting formado por Bruno de Carvalho foi analisado e percebeu-se que existiram gastos que "ascenderam aos 3,426 milhões de euros". Além disso, segundo o 'Record', há um milhão de euros sem rasto.

Além disso, esta auditoria nota "ausência de contratos, contratos não assinados, ausência de relatórios de scouting, relatórios informais, não assinados e não identificados/detalhados, bem como gastos de outra natureza classificados como scouting".

Na sequência do ataque a Alcochete, vários jogadores rescindiram contrato com o clube. Segundo esta auditoria, o valor pedido pelo Sporting aos jogadores é de 273 milhões de euros. Por seu turno, os atletas que deixaram o clube na sequência do ataque à Academia reclamam um total de 4,7 milhões de euros aos cofres leoninos.

Na análise às contas do Sporting, a Bakertilly também levanta dúvidas com o contrato de Fredy Montero, que regressou a Alvalade e, entretanto, já deixou o clube.

"Não obtivemos explicações suficientes que sustentem o racional que justifica os termos contratuais do segundo contrato, ou seja, um aumento tão grande na sua remuneração", salienta a empresa que realizou a auditoria.

Sê o primeiro a comentar: