Modalidades
"Ricardinho foi Maradona, foi Messi, foi tudo no futsal", diz dono do Movistar
2020-06-07 18:50:00
José María García não poupa elogios ao atleta que deixa o clube

José María García, o dono do Inter Movistar, garantiu que Ricardinho vai ser homenageado pelo clube, depois do próprio jogador ter lamentado a forma como deixou o emblema.

"A história mostra que não há nenhum jogador que tenha estado ao nível mais alto e que não tenha dificuldades em admitir que no clube onde brilharam já não contam com ele", explicou o dirigente, em entrevista ao jornal A Bola.

Para o dono do Inter Movistar, Ricardinho é um génio comparável, no futebol, a Maradona, Messi ou outro qualquer. No entanto, todos os ciclos têm um fim, continuou.

"Ricardinho foi Maradona, foi Messi, foi tudo no futsal. É a lei da vida", desabafou.

José María García rebateu uma acusação do cinco vezes Bola de Ouro, que se tinha queixado de que ia sair do Inter Movistar sem ter recebido qualquer explicação do clube.

"Creio que, ao fazer essas declarações, Ricardo cometeu um erro a que não se deve dar demasiada importância. Não é verdade que ninguém do clube o tenha contactado. É certo que eu não o pude fazer, porque estou confinado fora de Madrid com a minha mulher que está doente, mas o nosso diretor-geral falou com ele", garantiu.

O dono da equipa frisou ainda que Ricardinho soube antecipadamente que ia ser colocado em lay-off, tanto mais que "era subcapitão", e que o clube nunca foi contactado para permitir ao jogador passar a quarentena em Portugal, duas críticas feitas pelo próprio Ricardinho.

"A nós não nos pediu nenhuma autorização, todos os jogadores brasileiros do plantel foram para o seu país. E com mais razão, por estar aqui ao lado, o Ricardo poderia ter ido para Portugal se nos tivesse solicitado", concluiu José María García.