Visto da Bancada
Rui Maside (nº 242)
Gomes Ferreira
2018-03-07 12:30:00
Rui Maside recorda a "loucura" do 'Careca' em não querer barreira num livre de Carlos Manuel

Rui Maside, antigo avançado do Vitória de Setúbal, Sporting e SC Braga, recorda ao Bancada um jogo em que "o Careca", guarda-redes António Miguel, entao no Vitória FC, desafiou literalmente Carlos Manuel e o pior aconteceu para a equipa sadina. Estávamos em fevereiro de 1986 e o hoje treinador do Moura, equipa que milita na Série E do Campeonato de Portugal, fazia a sua primeira época em Setúbal. E guarda ainda hoje, aos 54 anos, esse momento na memória.

"Faltavam poucos minutos para terminar o jogo [quatro de tempo regulamentar] e o árbitro apontou um livre contra o Vitória, a cerca de 25 metros da baliza. O Miguel disse que não queria barreira e começou a ´tourear' o Carlos Manuel': 'Ouve lá, queres marcar, é?'. O Carlos Manuel, que não era mau de todo a marcar livres [ri-se] não foi de modas e deu uma chapada na bola e fez um grande golo. Meteu as mãos na cintura e provocou o 'Careca': 'Com que então não querias barreira?! Agora levas com isto'."

Maside estava no banco de suplentes, não entrou nessa partida, e ficou perplexo com o que estava a ver, tal como os seus companheiros. "Quando o Miguel disse que não queria barreira, fiquei logo apreensivo, ele estava a incentivar o Carlos Manuel. Nem queria acreditar. Perdemos 1-0 por causa dessa 'loucura' do Careca. Depois no balneário foi o bom e o bonito [ri-se].

Rui Maside não resiste a contar mais uma história. "Na época de 1987/88, o Vitória foi jogar ao campo do Lusitânia dos Açores para a Taça de Portugal, num campo pelado, a terra era preta vulcânica e as marcações feitas com cinza, e estava um temporal medonho. Ganhámos por 1-0, um golo contra o vento, pelo Jordão, mas recordo-me de uma cena caricata: o Meszaros ao fazer a reposição da bola em jogo, ela voltava sempre para trás tal era a força do vento. O árbitro mandou repetir umas duas ou três vezes e acontecia sempre o mesmo. Foi então que o Meszaros começou a bater a bola para fora do terreno, em diagonal, para que o jogo continuasse. Os adeptos da casa é que não gostaram nada e no fim tivemos problemas para chegar ao balneário".

Sê o primeiro a comentar: