Visto da Bancada
Rui Gomes (nº 155)
Fernando Gamito
2017-11-14 12:30:00
O ex-treinador da equipa B do FC Porto e adjunto do Estoril recorda uma receção 'histórica' dos 'dragões' ao Benfica.

11 de maio de 2013. Estádio do Dragão. FC Porto-Benfica. Que adepto do futebol português não se recorda desse duelo de emoções fortes, que nos instantes finais viu Kelvin marcar um golo que “deu” o título de campeão nacional aos azuis e brancos? Pois bem, é esse preciso encontro que salta à memória de Rui Gomes quando pensa no jogo que mais o marcou, tendo sido visto a partir das bancadas de um estádio.

“O jogo mais extraordinário que presenciei foi mesmo o FC Porto-Benfica, no segundo ano do Vítor Pereira, com o golo do Kelvin nos minutos finais”, começou por lembrar, ao Bancada, o ex-treinador da equipa B e camadas jovens do FC Porto e também adjunto do Estoril-Praia. “Foi realmente uma coisa do outro mundo, só percebe mesmo quem esteve lá e viveu aquele momento.”

Quais as razões que levam a que esse jogo seja ainda hoje tão marcante? Rui Gomes explicou. “Marcou-me pela emoção, pelo que estava em jogo – um título – e porque nada do que aconteceu durante a partida apontava para aquele desenlace final. Já estava tudo mais que conformado, inclusive muitas pessoas já a sair do estádio e aquele golo caído do céu, aos trambolhões, foi uma ‘catástrofe’ incrível que aconteceu.”

Um golo de Kelvin aos 90+2 deu o triunfo ao FC Porto, na penúltima jornada da Primeira Liga da época 2012/13 e Rui Gomes salientou também o facto de tento ter sido apontado por um jogador que passou pelo seu comando na equipa secundárias dos ‘dragões’. “Eu nesse ano treinava a equipa B do FC Porto e o golo final foi marcado por um jogador [Kelvin] que ainda fez uns sete ou oito jogos essa época na equipa B”, rematou Rui Gomes.

Sê o primeiro a comentar: