Grande Futebol
Wenger desmente Bayern e revela que Rummenigge o convidou
2019-11-08 21:15:00
Clube alemão tinha garantido que o treinador francês se ofereceu... e foi rejeitado

Arsène Wenger reagiu ao comunicado do Bayern e garantiu que, para além de não se ter oferecido ao clube alemão, foi ele convidado por Rummenigge a aceitar o cargo de treinador.

Em comunicado, o Bayern tinha revelado que o treinador francês havia ligado ao presidente, Karl-Heinz Rummenigge, tendo o clube decidido que Wenger "não era opção".

A versão do ex-treinador do Arsenal é bem diferente: ligou a Rummenigge, sim, mas devolvendo uma chamada não atendida, na qual o presidente do Bayern o iria convidar para assumir o cargo de treinador.

"O que se passou foi que o meu nome apareceu do nada, sem ter nada a ver com isto. Na quarta-feira, Rummenigge ligou-me e não pude atender. Por educação, devolvi a chamada", explicou, em entrevista à beIN Sports.

Nessa conversa, que durou "quatro ou cinco minutos, no máximo", o presidente do Bayern disse a Wender (segundo este) que "tinham decidido que Flick fosse o treinador por dois jogos, dado que jogam frente ao Dortmund amanhã [sábado]".

Depois, sim, Wenger poderia assumir o cargo.

"[Rummenigge] perguntou-me se estava interessado, que estavam à procura de treinador. Disse-lhe que não tinha pensado nisso e que precisava de tempo para refletir. Decidimos que falaríamos novamente na próxima semana, porque vou estar em Doha até domingo à noite", acrescentou.

"Essa é a verdadeira história", insistiu o treinador francês, deixando bem claro que agora não vai aceitar qualquer convite do Bayern.

"Hoeness, um homem-chave para o clube, sai. Rummenigge sai daqui a um ano. Parece que o futuro é incerto. E este clube, que sempre se caracterizou por ser muito discreto e direto, hoje em dia está muito exposto a rumores que chegam de todo o lado. Da minha parte, desejo sorte ao Bayern e já tenho a minha decisão tomada", concluiu Arsène Wenger.