Grande Futebol
Erros crassos 'tugas' e do dragão, penáltis, expulsão.. Ah! E o FC Porto ganhou
2018-10-24 22:40:00
O triunfo do FC Porto em Moscovo parecia um autêntico filme: não faltaram peripécias e aconteceu de tudo um pouco.

Houve uma ‘ajudinha’ portuguesa (não propositada), erros crassos na zona defensiva do FC Porto, penáltis, uma expulsão… enfim, pode respirar. O FC Porto lidera isolado o grupo D da Liga dos Campeões, depois do triunfo desta noite sobre o Lokomotiv Moscovo, por 3-1, em solo russo. Os comandados de Sérgio Conceição demonstraram a clara superioridade em relação ao adversário através do resultado, mas a verdade é que o desfecho do encontro poderia ter sido bem distinto, caso as incidências da partida tivessem ocorrido de outra forma.

A começar pelo início, Conceição surpreendeu com a inclusão de Óliver no onze, quando se esperava que Otávio ou Sérgio Oliveira fossem chamados ao onze, com base nas escolhas habituais do técnico dos dragões. E na primeira parte até pareceu que essa escolha não tivesse sido a mais acertada, com o médio espanhol a estar muito recuado no terreno e a fazer uma circulação de bola muito lenta. No entanto, com o passar dos minutos, o criativo mostrou-se fundamental no momento de vantagem no marcador, primordialmente nos segundos 45’, a gerir os tempos de jogo e com muito critério no passe.

O momento do encontro teve lugar logo nos minutos iniciais, com Manuel Fernandes a falhar uma grande penalidade frente a frente com Casillas. Aos nove minutos, Alex Telles abordou erradamente uma disputa de bola com Aleksei Miranchuk e derrubou o russo na área dos azuis e brancos. No entanto, Casillas foi capaz de corrigir o erro do lateral, com uma parada de grande nível ao remate de Manuel Fernandes, que perdeu assim uma oportunidade única de colocar o Lokomotiv em vantagem, situação que podia ter feito a partida totalmente diferente do que acabou por ser. Quem parecia ter saído crucificado do lance era Telles, só que o brasileiro limpou a imagem nove minutos mais tarde, ao negar por duas vezes consecutivas o golo que parecia certo aos russos, ao colocar-se em frente a remates de Aleksei Miranchuk e Eder.

Na reta inicial do encontro, o FC Porto conseguiu encontrar espaços no meio-campo do Lokomotiv e aproveitou essa mesma situação para lançar o ataque através da velocidade dos três homens da frente: Brahimi, Marega e Corona. Ora, os russos não foram capazes de se adiantarem no marcador de penálti e foi precisamente dessa forma que o FC Porto chegou ao golo. Marega não tremeu da marca dos onze metros, aos 26 minutos, na sequência de uma falta cometida pelo internacional português Eder sobre Felipe na área dos moscovitas. Bastaram nove minutos para os azuis e brancos aumentarem a vantagem no resultado, por intermédio de Herrera. Corona foi até à linha de fundo, servido por Maxi Pereira, e surpreendeu ao cruzar de pé esquerdo para a entrada da pequena área do Lokomotiv… onde apareceu Herrera a fazer o papel de ‘matador’ e cabecear para o fundo das redes.

Quando se pensava que os dragões iam para os balneários descansar sob uma vantagem tranquila de dois golos, sem qualquer tento sofrido, eis que o destino quis pregar uma partida. Ou melhor, foi mesmo Éder Militão a pregar uma partida à própria equipa. O central brasileiro (que realizou um jogo bastante completo no geral) cometeu um erro grave, ao perder a bola junto à área azul e branca, com Aleksei Miranchuk a colocar o esférico no irmão Anton, que não desperdiçou e levou o jogo para intervalo com um resultado que deixava tudo em aberto.

Temia-se intranquilidade azul e branca na segunda parte, mas Corona fez questão de colocar isso de parte logo aos 47 minutos. Servido de forma exímia por Brahimi, com um passe em abertura que cortou completamente a defensiva moscovita, o mexicano entrou na área contrária e aumentou a vantagem da equipa portuguesa. Não obstante o resultado, a verdade é que a turma de Sérgio Conceição estava a cometer demasiados erros em zona defensiva e viu mesmo a bola entrar na baliza de Casillas aos 55 minutos, com um remate de Eder, mas o golo foi anulado, com a equipa de arbitragem a assinalar fora de jogo (decisão incorreta).

Na reta final da partida, o Lokomotiv tentou assumir protagonismo e quis ter bola, em busca do prejuízo e de tentar fazer um golo que mexesse com o nervosismo do FC Porto. No entanto, aos 76 minutos deu-se a ‘machadada’ final na partida, devido à expulsão de Kverkvelia. O central do conjunto russo foi admoestado com o cartão vermelho direto após impedir Herrera de se isolar em frente à baliza, na sequência de uma perda de bola. O jogo não teve mais história, o resultado não mais mexeu e o FC Porto saiu de Moscovo com os três pontos e a liderança isolada do grupo, que permite sonhar cada vez mais com uma presença nos oitavos de final da Champions.