Grande Futebol
Ricardo Gareca esteve na mira de Pablo Escobar e escapou ileso
Fernando Gamito
2018-10-10 20:00:00
Nos anos 1980, o narcotraficante Pablo Escobar equacionou atacar alguns jogadores do América Cali e Gareca era um deles.

O argentino Ricardo Gareca é, atualmente, selecionador do Peru, mas a verdade é que foi por pouco que saiu vivo dos anos 1980, e com Pablo Escobar metido ao barulho. Tal como é reconhecido pelo mundo fora, a Colômbia era um país inundado pela violência na reta final do século passado, numa fase em que Gareca jogava com a camisola do América Cali. Sob o pano de fundo do crescimento do fenómeno que foi o narcotráfico no país sul-americano, onde os cartéis enriqueciam e as população sofria com as ameaças, nem o futebol escapava.

Escobar liderava o cartel de Medellín e era recorrente a existência de conflitos e violência com os rivais de outras cidades, como Cali, por exemplo. É aqui que o futebol entra. É que Escobar teve a ideia de atacar jogadores de futebol de forma a atingir, de forma colateral, os rivais. Um desses futebolistas foi Ricardo Gareca, que representou o América de Cali entre 1985 e 1988. Então e porque é que o América de Cali estava na mira de Escobar? Uma questão que, certamente, o leitor estará a colocar. Pois bem, é que a equipa tinha ligações com os irmãos Gilberto e Miguel Orejuela, mais precisamente os principais rostos do cartel de Cali. Quem deu conta desta situação foi mesmo um dos assassinos contratados por Escobar.

"Ricardo Gareca sempre esteve na mira de Pablo Escobar, mas não chegaram a agir. O amor do ‘Patrón’ pelo futebol salvou Gareca, pois queria atacá-lo, assim como a outros jogadores do América de Cali, e cogitou usar um carro bomba, assim como o cartel de Cali fez com a família do Pablo", revelou John Jairo Velásquez, conhecido como ‘Popeye’, antigo sicário de Pablo Escobar, numa entrevista realizada ao jornal peruano ‘El Popular’. Gareca saiu ileso, mas Escobar chegou mesmo a sequestrar jogadores do América de Cali para que entregassem os irmãos Orejuela. "Como não colaboraram, mataram a família de Pedro Enrique Sarmiento [ex-jogador]", contou Velásquez.

No entanto, não se ficaram por aqui os episódios que ligam Escobar ao desporto rei. De acordo com o antigo sicário (confessou ter executado 257 pessoas, sem contar com os bombardeamentos...) do narcotraficante, Escobar esteve envolvido na morte do árbitro Álvaro Ortega. O antigo árbitro faleceu a 15 de novembro de 1989, mas Velásquez contou que a morte foi combinada a 26 de outubro desse mesmo ano, dia no qual ajuizou um encontro entre o América de Cali e o Independiente de Medellín (3-2), no qual anulou um golo ao clube visitante a dois minutos do apito final. Ora bem, um par de semanas depois Ortega foi assassinado com vários tiros de metralhadora, quando seguia à pendura num carro. Tudo indicava que o cartel de Medellín tinha sido o responsável, mas o caso foi arquivado por falta de provas concretas.

Ricardo Gareca é, atualmente, selecionador do Peru, cargo que assumiu em 2015. O treinador de 60 já passou também pelo comando técnico do Palmeiras, do Vélez Sarsfield, do Universitario, do Santa Fé, do América Cali, do Argentinos Juniors, do Argentino de Quilmes, do Talleres, do Independiente e do San Martín Tucumán. Como jogador, Gareca representou o América Cali, Independiente, Vélez Sarsfield, River Plate, Boca Juniors e Sarmiento de Junín.

Sê o primeiro a comentar: