Grande Futebol
"Os clubes portugueses não podem olhar apenas para o seu umbigo", diz José Boto
2020-04-01 14:25:00
Antigo responsável pelo scouting do Benfica analisa o futuro do futebol português

O antigo chefe de scouting do Benfica, José Boto, atualmente ao serviço do Shakhtar Donetsk, analisou as consequências que a Covid-19 pode trazer aos clubes portugueses.

Em declarações ao programa ‘Bola Branca’ da Rádio Renascença, José Boto deixa um apelo a todos os clubes em Portugal e pede que se unam neste momento difícil.

“Se olharmos para aquilo que tem sido a história recente do nosso campeonato, em rivalidades e com as pessoas em constante desacordo, eu temo os efeitos da Covid-19, mas penso que o momento pode fazer com que as pessoas se unam para os efeitos disto não sejam tão desastrosos”, afirmou o olheiro.

Ao mesmo tempo, José Boto, que considera este momento “decisivo” para o futebol português, mas que o mesmo depende da capacidade dos emblemas em se entenderem.

“Tudo depende da capacidade dos nossos clubes de tomarem medidas em conjunto e não pensarem cada um para o seu umbigo”, comentou.

Caso isso não aconteça, o ex-colaborador do emblema encarnado teme que Portugal seja menos competitivo no panorama europeu.

“Se assim for, Portugal corre o risco de se distanciar de outras ligas que já eram melhores ou que estavam ao mesmo nível”, salientou.

Especialista na descoberta de jovens promessas, José Boto garante que, após passar a pandemia do novo coronavírus, não haverá transferências estratosféricas, como foi o caso de João Félix, em 2019, que saiu do Benfica para o Atlético de Madrid por 126 milhões de euros.

“Não vamos ter o mesmo futebol. Em termos do que é a minha área, o das transferências, acho que os valores vão baixar bastante e os clubes acho que vão ser mais comedidos nos investimentos dos jogadores”, rematou.