Grande Futebol
Os 23 de António José Oliveira
2018-05-11 19:00:00
Na rubrica 'Os meus 23', os jornalistas e colunistas do Bancada colocam-se no papel do selecionador nacional

Os meus 23:

Guarda-redes: Rui Patrício, Beto e Anthony Lopes

Defesas-centrais: Pepe, Bruno Alves, José Fonte e Rolando

Defesas laterais: Cedric, Ricardo Pereira, Raphael Guerreiro e Fábio Coentrão.

Médios: William Carvalho, Rúben Neves, Bruno Fernandes, João Mário, e João Moutinho

Avançados: Cristiano Ronaldo, Bernardo Silva, Gonçalo Guedes, André Silva, Gelson Martins, Quaresma e Eder.

Cristiano Ronaldo, Rui Patrício, Eder e mais 20

A chamada de Eder é uma das questões mais pertinentes em torno da Seleção Nacional e certamente aquela que mais toca ao coração dos portugueses. Deve ou não o héroi do último Europeu ser chamado por Fernando Santos? Julgo que sim.

O futebol (também) é feito de afetos e, embora na maioria dos casos não seja assim, de gratidão. Eder não marcou um golo circunstancial. Eder inventou um golo, o golo mais importante da história do futebol português e, não só por isso, merece a oportunidade de estar no Campeonato do Mundo. É um jogador especial já se percebeu, é um jogador com áurea e com um simbolismo mobilizador, que poderá ser importante no decorrer da competição. Assim, os meus 23 são Cristiano Ronaldo, Rui Patrício, Eder e mais 20.

A baliza é o sector certamente mais consensual, com o guarda-redes do Sporting na condição de titular absoluto, fruto de época atrás de época de grande nível e de um Europeu acima da média, surgindo Beto, que aos 36 anos ainda defende que se farta na Turquia, e Anthony Lopes como suplentes naturais.

As dúvidas começam a acentuar-se na formação do sector defensivo sobretudo nas alas, uma vez que na zona central Pepe e José Fonte aparecem nesta fase como as soluções mais óbvias, secundados por Bruno Alves e Rolando, que merece a chamada de Fernando Santos, como consequência de uma temporada de excelente nível apimentada com o golo que permitiu ao Olympique de Marselha garantir a passagem à final da Liga Europa. Um golo obtido já no prolongamento e que o elevou à condição de herói junto dos fervorosos adeptos marselheses.

Na lateral direita, as opções mais consistentes passam por Cedric e Ricardo Pereira. No lado esquerdo, Raphael Guerreiro, desde que em boas condições físicas, é intocável. Fábio Coentrão surge como a outra alternativa natural, face à boa época que fez em Alvalade.

No meio-campo, há apostas consistentes: não só os habituais William Carvalho e João Moutinho, como as duas grandes sensações da temporada: Bruno Fernandes e Rúben Neves. Depois há João Mário, de volta aos bons tempos de uma primeira fase de época em que parecia perdido no Inter.

Nas alas o virtuosismo é tremendo com Quaresma, Gelson e Bernardo Silva, que até pode jogar como médio mais interior. Na frente, há Cristiano Ronaldo e Gonçalo Guedes para tudo o que for preciso, bem como André Silva e, claro Eder, para o lugar de ponta de lança, digamos, mais fixo.

Escolha os seus 23 na sondagem que o Bancada criou para si.

 

Tags: