Grande Futebol
“Não somos todos como o Ronaldo. Sem salário, o senhorio bate à nossa porta”
2020-03-26 15:25:00
Alberto Paleari manifesta-se contra a redução de salários no futebol italiano

Numa altura em que o surto de Covid-19 tem afetado o funcionamento do futebol, muitos clubes estão a ponderar a redução de salários ou a rescisão de contratos para fazer face à falta de receitas.

Alberto Paleari, guarda-redes do Cittadella, da segunda divisão italiana, é contra essa possibilidade e dá o exemplo de Cristiano Ronaldo, jogador da Juventus.

“Não somos todos como Ronaldo. Se lhe tirarem dois meses de salário, ele não vai ter dificuldades financeiras, certamente. Se nos tirarem o mesmo, o nosso senhorio bate à porta a pedir a renda. Não podemos julgar todos da mesma forma, são situações diferentes”, afirmou Paleari.

O guardião vai mais longe e garante que só aceita uma solução que defenda todos os futebolistas dos escalões inferiores, recusando a distribuição do vencimento ao longo do tempo.

“Se fosse uma questão de atrasar o pagamento por um mês e receber a dobrar mais tarde, eu nem hesitava, dizia que sim. Mas se for para distribuir o valor ao longo do tempo, terei que dizer que não”, comentou.

Esta questão já foi abordada, na passada segunda-feira, por Bruno Alves, futebolista da Parma. O internacional português refere que não podem reduzir os salários dos jogadores e, ao mesmo tempo, “a continuarem a pagar as rendas e impostos”.