Grande Futebol
Lopetegui dispensado pela seleção espanhola e não orienta a equipa no Mundial
Redação Bancada
2018-06-13 11:00:00
O Real Madrid tinha anunciado ontem a contratação de Lopetegui para a próxima temporada.

Julen Lopetegui, antigo treinador do FC Porto e até hoje selecionador espanhol, já não irá orientar a equipa no Campeonato do Mundo confirmou hoje Luis Rubiales, presidente da Federação Espanhola, em conferência de imprensa.

"A negociação entre Lopetegui e o Real Madrid ocorreu sem ser dada qualquer informação à RFEF. A Federação Espanhola apenas foi informada cinco minutos antes da nota de imprensa publicada pelo clube. Há uma forma de atuar que tem de ser cumprida", justificou o presidente da Real Federação Espanhola de Futebol em conferência de imprensa.

"Não me sinto traído por Lopetegui. Enquanto esteve connosco realizou um trabalho impecável. O que está em causa é a forma como tudo foi feito, sem o conhecimento da RFEF. Vamos tocar o menos possível no staff e quando tivermos algo a comunicar iremos fazê-lo. Tenho uma relação muito próxima com Julen, é uma situação muito complexa, a mais complexa em que alguma vez me vi envolvido", continuou Luis Rubiales. 

Rubiales afirmou mesmo que não restou outra hipótese à federação espanhola: "Ficámos numa situação muito complicada, mas os jogadores e a restante equipa técnica irão fazer tudo o que estiver ao seu alcance para levar a seleção espanhola o mais longe possível. A seleção é a equipa de todos os espanhóis, não se podem fazer as coisas desta forma, a dois ou três dias do Mundial. Fomos obrigados a tomar esta decisão. Admiro e respeito imenso Julen. É um treinador de Top e isso torna ainda mais complicado tomar esta decisão. Estou seguro que tudo isto, com o tempo, nos fará mais fortes".

"Sei que é uma situação muito difícil. Sei que iremos ser alvo de críticas, mas os valores da RFEF impõe a própria RFEF. A Federação não pode ficar à margem das negociações de um dos seus trabalhadores e tomar conhecimento das mesmas cinco minutos antes de serem publicas. Vimo-nos obrigados a atuar", concluiu. 

Sê o primeiro a comentar: