Grande Futebol
Cristiano Ronaldo e Juventus com testes negativos à covid-19
2020-05-21 16:50:00
Todos os jogadores foram testados na quarta-feira

O plantel da Juventus, do qual faz parte o futebolista internacional português Cristiano Ronaldo, teve testes negativos para a covid-19, informou hoje o clube italiano, que testou os jogadores na quarta-feira.

“Ontem [quarta-feira] todo o grupo da equipa fez testes de diagnóstico, que deram resultados negativos”, indicou o emblema, octocampeão italiano e que liderava a Séria A de futebol antes da suspensão, após 08 de março, devido ao novo coronavírus.

Hoje, a equipa prosseguiu os trabalhos em Continassa, o seu centro de treinos, onde Cristiano Ronaldo se apresentou na terça-feira, depois de duas semanas de quarentena e depois de um período de quase dois meses de isolamento na Madeira.

“O programa de trabalho em Continassa prossegue. Durante alguns dias os jogadores fizeram sessões individuais de treino em pequenos grupos, mantendo as distâncias”, assinala o clube, que se prepara para nova metodologia.

Dentro do protocolo da comissão médica e científica da Federação Italiana de futebol, depois de terem sido testados os jogadores com resultados negativos, a equipa irá alargar as sessões de treino com grupos maiores.

Após a declaração de pandemia, em 11 de março, as competições desportivas de quase todas as modalidades foram disputadas sem público, adiadas – Jogos Olímpicos Tóquio2020, Euro2020 e Copa América -, suspensas, nos casos dos campeonatos nacionais e provas internacionais, ou mesmo canceladas.

Os campeonatos de futebol de França, Países Baixos, Bélgica e Escócia foram cancelados, enquanto outros países preparam o regresso à competição, com fortes restrições, como sucede em Inglaterra, Itália, Espanha e Portugal, que tem o reinício da I Liga previsto para 04 de junho, depois de a Liga alemã ter sido retomada no sábado.

A nível global, segundo um balanço da agência de notícias AFP, a pandemia de covid-19 já provocou mais de 328 mil mortos e infetou mais de cinco milhões de pessoas em 196 países e territórios.

Mais de 1,8 milhões de doentes foram considerados curados.