Grande Futebol
Como os ingleses ligam o regresso de João Mário à melhoria do Inter Milão
Sérgio Cavaleiro
2018-11-08 11:00:00
O jornal "Guardian" escreveu um artigo sobre o médio português e como a sua "reinvenção deu um novo espírito ao Inter"

A vida dá muitas voltas. A de um futebolista, então, pode ser um completo rebuliço. A de João Mário tem todas as semelhanças com uma qualquer montanha russa. Não é que o prestigiado jornal inglês "Guardian" - na sua versão online - dedicou um artigo completo sobre a "reinvenção" do médio português? É verdade. João Mário voltou a ser opção para Luciano Spalletti e o Inter Milão voltou a jogar bem à bola. O diário inglês defende que uma coisa está relacionada com a outra.

As palavras de João Mário, logo após terminado o seu empréstimo ao West Ham, no final da temporada transata, dizendo que a sua experiência no futebol italiano estava terminada, não foram esquecidas pelo jornalista Paolo Bandini. Depois disso, João Mário juntou-se à seleção portuguesa e participou em todos os quatro jogos disputados pelo conjunto luso no Mundial da Rússia.

Mas o que se terá passado com João Mário para tal desabafo? Colocar de lado a hipótese de voltar a jogar pelo clube que havia gasto cerca de 40 milhões de euros na sua contratação, de forma tão perentória, não parecia a coisa mais sensata do Mundo. Mas a verdade é que o antigo jogador do Sporting disse-o: "Não quero voltar a Itália, não tenho a motivação certa. A experiência está terminada. Sem dúvidas", reforçou.

 

Muitos milhões e pouco futebol

A explicação para o desencanto de João Mário com o futebol italiano e, sobretudo, com a experiência em Milão pode estar no facto de ter figurado muito poucas vezes entre as opções de Luciano Spalletti. Na primeira metade da temporada passada, João Mário foi titular apenas cinco vezes e nunca conseguiu criar impacto. O único impacto resultava do facto de ter custado, aos cofres do histórico clube italiano, cerca de 40 milhões de euros.

Ora bem, depois do desabafo de João Mário, adivinhava-se um defeso atarefado para o seu empresário. Havia que arranjar colocação para o médio. A missão não se afigurava nada fácil. O Inter não queria abrir mão do investimento e existiriam poucos clubes interessados em gastar tanto dinheiro por um jogador que não tinha sido propriamente a última bolacha do pacote durante a temporada que estava a terminar.

Rumores ligaram João Mário a hipotéticos interesses dos dois clubes de Sevilha. Primeiro foi o Sevilha FC que se mostrou interessado, mas que rapidamente se contentou com a contratação, por empréstimo, do francês Maxime Gonalons. Mas tarde foi a vez de Betis - que já havia assegurado a contratação de William Carvalho - a mostrar-se interessado em João Mário. Acontece que a opção acabou por recair em Giovani Lo Celso, também ele contratado por empréstimo ao Paris Saint-Germain.

A coisa não aconteceu e o tempo foi passando. João Mário ter-se-á arrependido das palavras que proferiu quando disse que não queria voltar a jogar pelo Inter Milão. E com razão. A transferência não se deu e João Mário viveu um verdadeiro calvário no arranque da presente temporada. Primeiro porque os adeptos não o perdoariam por dá cá aquela palha e depois porque teria de convencer Luciano Spalletti que estaria na disposição de rever a sua posição e lutar pelos objetivos do clube milanês.

 

“A minha linguagem corporal é um problema”

A verdade é que o treinador italiano demorou a deixar-se convencer pelo jogador português, que se justificou perante os assobios dos adeptos italianos: "Penso que um dos meus problemas é a minha linguagem corporal. Por vezes pode parecer que não estou presente. É algo que preciso de melhorar", disse João Mário após ouvir a contestação vinda das bancadas quando o seu nome foi dito pelo speaker do San Siro. Era mais um jogo em que ia começar no banco e lá iria terminar a partida. Aliás, João Mário só falhou a lista de convocados na primeira jornada. Depois foram nove jogos sempre sentado no banco. Nem um minutos lhe foi dado por Spalletti.

 

João Mário regressa e o Inter começa a jogar à bola

Mas tudo mudou à décima jornada. João Mário voltou a ser convocado para a deslocação do Inter Milão a Roma, para defrontar a Lazio. Até aqui nada de novo, sentar-se-ia no banco mais uma vez, pensou a generalidade da malta. Mas não. Surpreendentemente, João Mário entrou diretamente no onze inicial. O Inter Milão acabaria por vencer a partida por 3-0 e realizou uma das melhores exibições da temporada.

No entanto, o melhor estava ainda para vir. João Mário voltou a merecer a confiança de Luciano Spalletti para a jornada seguinte, a 11.ª, e foi decisivo. Marcou um, e deu mais três a marcar na goleada, por 5-0, imposta pelo Inter Milão ao Génova CFC. A coisa até poderia ter sido mais engraçada tivesse o português inscrito na Liga dos Campeões. Mas não está e por isso falhou o encontro com o FC Barcelona a meio da semana (1-1).

Ora, o conceituado jornal inglês associou a subida de forma do Inter Milão com o regresso de João Mário à equipa e publicou um artigo com o seguinte título: "A reinvenção de João Mário e como o Inter encontrou um novo espírito". Resta agora aguardar para perceber o que vai acontecer daqui para a frente. Fernando Santos estará a torcer para que o jornal inglês esteja certo.

Sê o primeiro a comentar: