Grande Futebol
Charlton proíbe consumo de batatas fritas no escritório para poupar na limpeza
2018-08-28 11:00:00
Adeptos protestam e atiram pacote de batatas para o relvad

Quando pensamos que já vimos de tudo no futebol eis que surge uma história como esta que vamos contar. O jogo entre o Charlton Athletic e o Fleetwood Town, do terceiro escalão do futebol inglês, foi interrompido pelo árbitro porque das bancadas choviam pacotes de batatas fritas (!!!). Pois. Leu bem. Pacotes de batatas fritas, para que não restem dúvidas. A razão na base deste protesto é ainda mais bizarro que o próprio protesto. É que parece que o clube londrino quer poupar nas horas da empresa de limpezas.

A relação entre os adeptos do histórico clube londrino, por onde já passou Jorge Costa, e o dono do clube, o belga Roland Duchâtelet, não tem sido propriamente um exemplo de boas maneiras e os protestos contra a forma como Duchatelet tem gerido o clube têm sido muitos. Aliás, foi mesmo criada uma organização contra o belga, a CARD, Coligação Contra (against, em inglês) Roland Duchâtelet.

Ora bem, o último fim-de-semana viu mais um protesto contra Roland Duchâtelet e as suas políticas de austeridade. Um muito bizarro, diga-se. Assim que o árbitro apitou para o início da partida entre o Charlton e Fleetwood começou a chover, das bancadas, pacotes de batatas fritas, o que obrigou o árbitro a interromper o encontro para que os pacotes fossem removidos das quatro linhas.

Mas o que está por detrás desta manifestação? Pois bem. O jornal inglês "Evening Standard" publicou uma notícia que dava conta de uma proibição imposta aos funcionários do clube. De acordo com a reportagem, a direção do Charlton proibiu um dos funcionário de comer batatas fritas no escritório, uma vez que isso obrigava a maiores cuidados de limpeza e, como sequência, mais horas para pagar ao pessoal da limpeza.

Como forma de protesto contra a decisão da direção liderada por Roland Duchâtelet, o grupo de adeptos CARD organizou a manifestação caricata e decidiu fornecer alguns pacotes de batatas fritas para serem atirados para o relvado. Mas esta não foi a primeira vez que este grupo de adeptos decidiu protestar desta forma. Uma par de semanas antes, foram garrafas de água.

Em mais uma medida de austeridade, Duchatelet decidiu cortar com o fornecimento de garrafas de água às equipas jovens, já que, segundo o presidente, a miudagem desperdiçava muito e os custos com a água eram altíssimos. Ora, a solução encontrada pelo belga foi diminuir a água à disposição dos jovens jogadores. Por isso o grupo CARD decidiu comprar 100 garrafas de água e atirá-las para o relvado.

Resta aguardar pela próxima medida de Roland Duchâtelet e quais os objetos que serão atirados para o relvado do The Valley.