Grande Futebol
Bella Ciao: antes da fama, já a resistência era cantada pelos adeptos do Livorno
Fernando Gamito
2018-05-15 17:20:00
O êxito da série "A Casa de Papel" tem uma longa tradição no futebol italiano, tudo devido às ligações políticas.

“O bella, ciao! Bella, ciao! Bella, ciao, ciao, ciao!” Quem não ouviu esta expressão nos tempos mais recentes que atire a primeira pedra. A música ganhou fama com a chegada ao estrelato da série espanhola “A Casa de Papel”, da qual faz parte da banda sonora e até já mereceu várias adaptações, até nos estádios portugueses (os adeptos do FC Porto já celebrizaram o cântico “penta ciao” em direção aos rivais do Benfica). Ainda assim, antes de ser celebrizado e entoado mundialmente, o termo “Bella Ciao” ganhou contornos em plena resistência ao fascismo italiano e tem raízes mais profundas no futebol do que pode parecer à primeira vista.

Para se perceber o que aqui se trata, basta observar uns instantes a Curva Nord do Livorno Calcio (ver vídeo abaixo), claque do clube que milita no terceiro escalão italiano. Os aficionados do emblema da região italiana da Toscana popularizaram o tema no desporto rei. Mas, antes que o leitor se questione das razões que levaram uma claque de um clube de futebol a entoarem o cântico, tal situação deveu-se à forte conotação política que envolve a prática futebolística em solo transalpino. Não é certa a real origem de “Bella Ciao”, mas fala-se que terá sido inspirado num cântico de camponeses do século XIX. Ainda assim, foi em plena Segunda Guerra Mundial que voltou a aparecer, como o som de resistência ao fascismo.

Como forma de contexto, os soldados da resistência antifascista e antinazista eram conhecidos de “partigiani”, palavra bastante assídua na música. Nasceu em 1922 e foi no ano de 1943 que o grupo teve a sua ascensão, no momento em que Benito Mussolini perdeu o poder e Adolf Hitler invadiu a Itália de forma a impedir que o país fosse apropriado pelos Aliados (Estados Unidos, Reino Unido, França…). Comunistas, liberais, monarquistas e sociais-democratas, todos eles faziam parte desta ‘guerrilha’, que teve um papel fundamental na vitória dos Aliados no conflito mundial. Desde então, o termo “Bella Ciao” ganhou presença assídua em manifestações levadas a cabo pelos movimentos e partidos de esquerda da oposição.

Sendo Livorno a cidade onde foi fundado o Partido Comunista Italiano, em 1921, não é difícil de perceber a razão para o termo “Bella Ciao” fazer parte do repertório do principal clube da região. O facto de a Curva Nord ser fortemente conotada à esquerda também foi um dos principais fatores. Nos estádios de outros clubes italianos, como o Perugia Calcio e o US Salernitana, também é comum ouvir-se o tema que agora é famoso e cantada por todo esse mundo fora. Um grupo de adeptos que não se revê nos acima referidos é o dos ultras da Lazio, que são assumidamente a favor do fascismo, tal como já ficou comprovado em vários episódios, o mais recente com a exibição de cartazes com imagens de Anne Frank vestida com uma camisola da rival AS Roma.

Com a final da Liga Europa aí à porta e tendo em conta que a série televisiva que voltou a popularizar a música é espanhola, o Atlético Madrid também se inspirou em “Bella Ciao” para motivar os adeptos e os jogadores. “La Colchonera” (ver vídeo abaixo) já é viral nas redes sociais e promete continuar a sê-lo, pelo menos até ao jogo decisivo de quarta-feira, frente ao Olympique de Marselha, em Lyon.

Sê o primeiro a comentar: