Grande Futebol
Afinal, o que é que Sergio Ramos tomou? Pode ser castigado?
2018-11-24 14:00:00
A substância poderia ter sido ingerida oralmente, mas, sendo através de injeções, a UEFA não poderá castigar o atleta.

Uma investigação do Der Spiegel, com documentos do Football Leaks, revelou que Sergio Ramos foi apanhado nas malhas do doping, mas que o caso foi abafado pela UEFA. Já há reações das partes envolvidas, mas, antes disso, vamos à parte prática da coisa. Afinal, Ramos dopou-se ou não?

Segundo Zigor Moltavo, responsável da Unidade de Controlo de Performance da Agência Espanhola Antidoping, contactado pela “Marca”, o central do Real Madrid esteve envolvido em dois casos:

O primeiro num jogo frente ao Málaga, depois do qual o central foi chamado para um controlo. Apesar disso, Ramos decidiu ir tomar banho antes do controlo, algo proibido pela Agência Espanhola Antidoping.

O segundo foi em 2017, depois da final da Champions. O sangue do central do Real Madrid tinha uma substância chamada dexametasona. Segundo o especialista, é “uma substância permitida, caso tenha sido injetada, tal como o médico do Real Madrid alega”. Segundo Moltavo, a substância poderia ter sido ingerida oralmente, mas, sendo através de injeções, a UEFA não poderá castigar o atleta.

Para que serve, então, a substância? Montalvo explica que a dexametasona “é um corticoide como muitos outros. É um dos mais frequentemente usados e não há problemas com ele a nível legal. É comum os jogadores usarem um corticoide e, depois, um analgésico, algo que, claramente, não tem um efeito positivo [na performance]".

Na prática, segundo o especialista, isto significa que Sergio Ramos – descontando o caso do banho – “não tem culpa, mas sim a pessoa que deveria tomar conta desses aspetos [médico do Real]”. “A defesa, nesse sentido, será simples”.

"Sergio Ramos nunca incumpriu as regras"

Entretanto, a UEFA já reagiu a este caso. O organismo que rege o futebol europeu, acusado de ter escondido o controlo positivo ao jogador, foi claro: “Rejeitamos veementemente as acusações infundadas sobre controlos antidoping positivos. Todos os casos de controlo antidoping da UEFA são coordenados com o código da Agência Mundial Antidopagem (WADA). Todos os casos pedidos pela WADA mostram que a UEFA deu toda a informação detalhada, relatórios técnicos e provas durante o tratamento desses casos”.

A versão do Real Madrid condiz com a da UEFA, dado que o clube espanhol refere que “a UEFA pediu informação pontual e encerrou o assunto imediatamente, depois da verificação dos relatórios da WADA”.

“Sergio Ramos nunca incumpriu as regras do controlo antidoping”, acrescenta o clube.