Grande Futebol
A odisseia de Gastón Giménez: de esquecido no hotel à estreia na alviceleste
2018-11-22 17:00:00
O médio do Velez Sarsfield viveu um dia surrealista aquando do confronto particular com o México

Gastón Giménez nunca mais vai esquecer a estreia na seleção argentina. O médio, de 27 anos, do Vélez Sarsfield, que um dia disse que não se divertia no futebol, foi chamado pela primeira vez pelo selecionador Lionel Scaloni para o particular entre a Argentina e o México, que a seleção alviceleste venceu por 2-0, teve direito a entrar aos 88 minutos quando o resultado já estava feito, mas o que ficou para trás foi uma aventura, com contornos caricatos.

Giménez ficou literalmente esquecido no hotel em Mendonza aquando da viagem da equipa para o Estádio Malvinas Argentina, onde joga o Godoy Cruz, e cujo nome foi rabatizado depois da Guerra das Malvinas. Só quando a comitiva da seleção argentina chegou ao estádio é que deu pela falta de um jogador, Gastón Giménez.

Segundo relatos da imprensa argentina, o mal entendido deveu-se ao facto de que o jogador tinha avisado de que iria tomar banho antes da saída, mas ao que parece ninguém mais se lembrou disso e a verdade é que seguiram todos de autocarro menos um.

A solução para este incómodo acabou por ser resolvida de forma célere. A federação argentina enviou um automóvel para transportar o jogador ao estádio que ainda chegou a tempo de integrar os planos do selecionador nacional para a partida com os mexicanos. E jogar uns minutos naquela que foi a sua estreia pela seleção alviceleste, ele que foi apontado como uma surpresa na convocatória do técnico Lionel Scaloni.

Um descuido da seleção argentina, algo surrealista, que acabou por acabar bem não só para a federação argentina como para um jogador que esteve quase a desistir do futebol, devido aos poucos recursos económicos da família. Hoje em dia, é ídolo no Velez Sarsfield, mas mantém a mesma humildade e frieza perante o que a vida dá e tira. "Não me divirto a jogar. Faço um chapéu ou uma 'cueca' por gosto disso no momento, mas desde que sou profissional deixei de me divertir por tudo o que envolve esta profissão. O futebol é um mundo complicado onde a melhor coisa é a bola, o jogo e os adeptos", disse  em entrevista ao Tiempo.

Sê o primeiro a comentar: